Brasil

5/cate1/Brasil

Política

5/cate1/Política

Vídeos

Esportes

5/cate4/Esportes

Internacional

5/cate5/Mundo

Economia

4/cate2/Economia

Podcast

Últimas Notícias

Celso de Mello será submetido a cirurgia e ficará afastado até 19 de março


Foto: Sérgio Lima/Poder 360
O decano do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Celso de Mello, 74 anos, ficará de licença médica até 19 de março devido a uma cirurgia à qual será submetido até o fim de semana. A informação foi publicada pelo Valor Econômico.
Segundo o jornal, a licença médica está válida desde 2ª feira (21.jan.2020) e o ministro já foi excluído do sistema de distribuição de processos, o que deve perdurar até o seu retorno. O atestado foi homologado pela Secretaria de Saúde do STF.
O gabinete do decano divulgou que ele já está internado, mas não deu detalhes sobre o tipo de cirurgia à qual Celso de Mello será submetido ou o hospital onde o procedimento será realizado.


Câmara gastou R$ 6,9 mi com viagens oficiais em 2019, maior valor em 5 anos


Na contramão do discurso de austeridade que emergiu nas últimas eleições, a Câmara atingiu em 2019 o maior valor desembolsado com viagens em missões oficiais desde 2015. Foram R$ 6,9 milhões em despesas dessa natureza no ano passado.
Poder360 obteve o número por meio da Lei de Acesso à Informação. A conta inclui passagens, diárias e valores adicionais arcados pela Casa. Gastos com viagens entre Brasília e as bases eleitorais dos deputados são lançadas em outra conta, na da cota parlamentar, conhecida como cotão.



A fila no INSS envergonha o Brasil


A  vergonhosa fila no INSS, testemunhada por todos nós, é o retrato de um Brasil dominado pela má administração politica aqui reinante há muito tempo. É a demonstração categórica da forma irresponsável como os governos conduzem áreas públicas importantes, minadas  de indicações políticas.

Agora, se  aqueles que padecem nas filas em busca de seus direitos fossem todos políticos, a situação de operosidade do instituto decerto seria bem outra.

Este é um país de difícil solução, que ainda vai se arrastar por muitas décadas para tratar com dignidade os seus concidadãos. Entra governo, sai governo e o desrespeito com os beneficiários da previdência social continua o mesmo.

Noutro país, que prima pelas  instituições e respeita os seus contribuintes,  jamais um instituto da responsabilidade de um  INSS trataria com tanta negligência os seus beneficiários.

É muito cômodo para os “ilustres” membros do governo virem tergiversar, alegando que a estrutura do INSS está defasada  e que precisa de tempo para se  adequar. Só que isso não vem de hoje, e o órgão não pode prejudicar, sob pretexto algum, direitos de qualquer trabalhador, pois assim agindo está se apropriando de dinheiro dos segurados.

Por outro lado, é muito confortável ao presidente do INSS, Renato Vieira, e ao secretário  da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, virem  afirmar que a situação da fila do INSS só deve ser absolutamente regularizada em seis meses. É aquele negócio: “pimenta nos olhos dos outros é refresco”. Só que neste ínterim, certamente, muitos falecerão sem receber o que têm direito.

Por isso, o Brasil está muito longe de ser considerada uma nação séria.  País que é comandado pela corja política incompetente – preocupada apenas com os seus interesses, interesses de parentes e  amigos – e que só se dá conta do caos nas instituições públicas depois de eclodir o problema.

Júlio César Cardoso
Servidor federal aposentado
Balneário Camboriú-SC

.


Jéssica Sales entrega veículos, barcos e equipamentos de saúde em Rodrigues Alves



A parlamentar nessa terça-feira 21, entregou ao município mais 03 novas caminhonetes, 02 barcos (tipo voadeira), além de novos equipamentos e mobiliário às unidades básicas de saúde, avaliados em R$ 754 mil. Os investimentos darão suporte as equipes de saúde dentro dos ramais de difícil acesso e comunidades ribeirinhas mais isoladas. 

Médica, a jovem Deputada Federal, está sempre atenta as grandes prioridades da saúde pública. Somente em Rodrigues Alves, já destinou mais de R$ 14 milhões.  Sendo uma grande parcela desse valor, com ênfase na construção de melhorias sanitárias, postos de saúde, ambulância, equipamentos odontológicos e mobiliário, além de outros investimentos importantes ao Piso da Atenção Básica (PAB) e infra-estrutura do município. 

Quando questionada quanto a seu jeito simples e dinâmico de trabalhar na política, Jéssica Sales é sempre muito direta ao se referir ao seu propósito: “Estou na política para servir e não para ser servida. É isso que o povo espera de um bom representante público. Por isso, sou uma deputada municipalista. Trabalho com resultados concretos, que impactam diretamente em benefícios para o cidadão, ao trabalhador e as famílias que são atendidas pelas gestões municipais".

INVESTINDO NA AGRICULTURA FAMILIAR 

Após a solenidade de entrega dos veículos e equipamentos, a Deputada Federal, acompanhada do prefeito Sebastião Correia e secretários, conferiu de perto as obras de construção do primeiro Mercado Público. A mdebista empenhou R$ 1,5 milhão no Programa Calha Norte, do Ministério da Defesa, para construção de uma moderna estrutura. O empreendimento vai oferecer condições de comercialização aos pequenos e médios agricultores locais que necessitam de um espaço para exposição e comercialização de seus produtos, além de proporcionar conforto a população em geral, que terá acesso a um ambiente amplo, com elevador e rampas de acessibilidade. 

“A principal atividade econômica e fonte de renda em Rodrigues Alves é a Agricultura Familiar. Esses agricultores se dedicam a esse tipo de produção para o auto sustento e também para o processo de desenvolvimento local e da região do Vale do Juruá. Até hoje nunca tiveram um lugar digno para trabalhar. Mas em breve isso vai mudar. Até o final de março vamos inaugurar esse grande mercado público, que passará a ser referência para todo o Vale do Juruá. Sinto-me muito feliz em fazer parte desse novo e importante momento de reconhecimento aos nossos bravos agricultores, que de sol a sol, contribuem para que os alimentos cheguem a mesa de toda a população”, finalizou Jéssica Sales.














A pedido da Rede, Gilmar Mendes proíbe investigação sobre Glenn no caso das mensagens vazadas



O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), proibiu que o jornalista Glenn Greenwald fosse investigado pelas mensagens publicadas em reportagens do site “The Intercept Brasil”. Na decisão, dada em agosto do ano passado, o magistrado diz que Greenwald não poderia ser alvo de qualquer ato que visasse sua responsabilização. O Ministério Público Federal denunciou nesta terça-feira sete pessoas, incluindo o jornalista, pela invasão do Telegram de autoridades públicas.
O caso é investigado na Operação Spoofing. De acordo com Gilmar, Greenwald não poderia ser investigado devido ao sigilo constitucional da fonte.
 “Com base nesses fundamentos, concedo, em parte, a medida cautelar pleiteada, apenas para determinar que as autoridades públicas e seus órgãos de apuração administrativa ou criminal abstenham-se de praticar atos que visem à responsabilização do jornalista Glenn Greenwald pela recepção, obtenção ou transmissão de informações publicadas em veículos de mídia, ante a proteção do sigilo constitucional da fonte jornalística”, escreveu Mendes.
Para o procurador Wellington Divino Marques de Oliveira, da Procuradoria da República no Distrito Federal, Glenn Greenwald foi "partícipe" nos crimes de invasão de dispositivos informáticos e monitoramento ilegal de comunicações de dados, além de ter cometido o crime de associação criminosa.
A decisão do ministro foi tomada a pedido do Rede Sustentabilidade.


Sindmed-AC reúne filiados e MPE para debater sobre ponto eletrônico e falta de segurança nos hospitais e UPAs



O Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC) reuniu na noite de segunda-feira (20) filiados, representantes de entidades e o promotor da Promotoria Especializada de Defesa da Saúde, Glaucio Ney Shiroma Oshiro. O objetivo foi tratar sobre temas como o ponto eletrônico e a falta de segurança nas unidades de saúde.
No encontro que contou com a presidente da Associação Médica do Acre (Amac), Jene Grace, e do membro do Conselho Regional de Medicina (CRM), Ricardo Montilla, também se tratou sobre ações a serem desencadeadas pelo movimento “Médicos pela População”. A meta é oferecer medidas que possam evitar o agravamento dos problemas já enfrentados pela classe, e que podem prejudicar a população mais carente, que mais necessita do atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS).
O primeiro assunto da pauta foi o ponto eletrônico em que os médicos puderam apresentar para o promotor a preocupação quanto às peculiaridades dos serviços realizados e as situações emergenciais que precisam ser priorizadas. Os profissionais pediram maior sensibilidade das autoridades para a adequação do sistema do registro de presença nas unidades de saúde priorizando o tempo de atendimento e evitando a punição do servidor que esteja realizando uma cirurgia e que pode durar horas.
A primeira-secretária do Sindmed-AC, Jacqueline Fecury, apresentou ao promotor o exemplo do sistema de controle implantado no INSS, que não utiliza mais ponto eletrônico e foca apenas na produtividade, nas metas de atendimentos alcançadas pelos servidores. “O sistema de deu muito certo. Já não tem tanta fila”, disse.
O presidente do Sindmed-AC, Murilo Batista, defendeu a adaptação do sistema para os serviços de saúde que funcionam em regime de plantão.
“O médico possui uma carga horária diferenciada, sendo necessário um olhar diferenciado para que não haja prejuízo para a classe, que é a ponta do atendimento do sistema público de saúde”, defendeu Murilo Batista.
O promotor Gláucio Shiroma confirmou a existência do prazo de 90 dias para adequação do ponto e disse acreditar na possibilidade de uma mediação capaz adaptar a norma para atender às condições específicas dos profissionais.
Na segunda pauta da reunião, a categoria solicitou apoio do Ministério Público Estadual para a resolução do problema da falta de segurança nos hospitais, situação que a cada ano vem se agravando. Em menos de 3 dias, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Cidade do Povo foi atacada por duas vezes, em uma das ocasiões um homem foi executado na entrada, deixando os profissionais em pânico e a estrutura do prédio comprometida.
A médica E.S. contou que convive com o medo quando vai trabalhar na UPA da Cidade do Povo. “Somos ameaçados, os faccionados, os olheiros, fazem ronda dentro da unidade, mostram revólver para nos intimidar. Lá estamos entregues à própria sorte. Só quem trabalha lá sabe o pavor que é", reclamou a trabalhadora.
Nos relatos feitos pelos profissionais, outras unidades apresentam o mesmo problema de insegurança. Na Maternidade Bárbara Heliodora já registrou arrastões, na UPA do Segundo Distrito um vigilante foi rendido e teve a arma levada e no Pronto Socorro, de acordo com os médicos, é comum existir ameaças e agressões verbais contra os profissionais. “Existem pacientes vítimas de confronto entre facções, então há o risco de invadirem para resgatar um suposto criminoso ou matar. O paciente não compreende que as vezes ele é mandado para outra unidade simplesmente porque está faltando fio para sutura”, explicou um médico que não quer ser identificado.
Gláucio Shiroma afirmou que recebeu documento do Comando Geral da Polícia Militar (PM) garantindo policiais em todas as unidades, porém, em entrevista à imprensa, o subcomandante, coronel Ricardo Brandão, afirmou que ainda estão em negociação para dar maior atenção a UPA da Cidade do Povo e manter policiais nas demais unidades, deixando de informar a data exata em que o policiamento será retomado.
O promotor aproveitou para elogiar a criação do movimento “Médicos pela População”, formado por entidades médicas para apontar as falhas e apresentar propostas de resolução. “Eu fiquei muito feliz quando a implantação do movimento e acredito que fará a diferença. É algo muito importante”, finalizou.
Por Freud Antunes


Diretoria do Sindicato dos Urbanitários visita trabalhadores do Depasa e constata irregularidades



Membros da Diretoria do Sindicato dos Urbanitários visitaram na última quinta, 16, e sexta-feira, 17, trabalhadores do Departamento Estadual de Pavimentação e Saneamento (Depasa) no Alto Acre (Assis Brasil, Brasileia, Epitaciolândia e Xapuri) e no município de Capixaba para conversar com os profissionais e se inteirar sobre as dificuldades que eles enfrentam no cotidiano profissional. A ação, que constatou irregularidades, também foi estendida ao quadro da Energisa.

Entre as anormalidades encontradas estão a falta de segurança nas Estações de Tratamento de Água (ETAs) das cidades, precariedade de infraestrutura como vazamentos nos locais, pisos rachados, portas danificadas, acessos de passagem quebrados e equipamentos expostos à ação das chuvas e sol em ambiente aberto sem proteção. Os trabalhadores relataram falta de segurança, principalmente no período noturno. Eles temem a prática de assaltos, atos de vandalismo e outros.

Diretor Executivo suplente do sindicato, Domingos Monte criticou a falta de investimentos do governo para conservar os equipamentos, prédios e reforçar a segurança das ETAs. “Enquanto o Executivo quer privatizar o saneamento básico alegando crise e falta de verba, o dinheiro público se perde com a deterioração de bombas d’água, que custaram caro aos cofres públicos, se estragando enquanto deveriam estar em uso. Enquanto isso, a população quer e não tem água”.

Em Xapuri, por exemplo, a casa de química, que conserva os produtos usados no tratamento, está totalmente destruída com telhas quebradas, paredes rachadas e ausência de laboratórios devido uma interdição da Vigilância Sanitária. Moradores do bairro Sibéria, com mais de 300 famílias, estão sem receber água devido ao rompimento de uma adutora que rompeu com a cheia repentina do Rio Acre e ainda não foi reposta pela falta dos equipamentos, que ainda não foram comprados.

“Apesar de colocarem uma mangueira de ligação para abastecer um carro pipa que distribui no bairro, a medida não é suficiente e as pessoas estão passando necessidade de água. Em todas as cidades toda a infraestrutura das estações está péssima”, reforçou Monte. Também participaram das fiscalizações os diretores sindicais Mauro Bezerra, Mauricélio França e Carlos Celso.

Agência Arawá de Comunicação