Morais pede vista e julgamento do marco temporal é adiado mais uma vez

 


O ministro Alexandre de Morais, do Supremo Tribunal Federal (STF) pediu vista nesta quarta-feira 15, do julgamento sobre o marco temporal em terras indígenas.

Com isso, o julgamento fica suspenso até que o magistrado decida emitir seu voto - teoricamente, ele teria 10 dias, prorrogáveis por mais dez para se manifestar, mas na prática os ministros não têm prazo para devolver os casos ao plenário.

A tese em julgamento afirma que só poderão ser considerados territórios de povos nativos aqueles ocupados ou reivindicados por eles até a promulgação da Constituição de 1988.

O relator da ação, o ministro Edson Fachin, terminou de ler seu voto favorável aos indígenas e contra o marco temporal na semana passada. O ministro Kassio Nunes Marques abriu divergência e, nesta quarta-feira, votou a favor do marco e dos interesses do agronegócio e do Governo Bolsonaro, contrário a mais demarcações.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem