Semana Santa

 


Por Chico Rocha

Judas Iscariotes, quem duvidaria da índole deste homem que viveu um certo tempo de sua vida com o próprio Cristo, quem poderia desconfiar de um homem que demostrava ter uma preocupação especial com os pobres, queira sempre ajudar os pobres, matar a fome dos pobres.  Seu interesse pelo pobre era tal que ousa até convencer o próprio Jesus que em vem de usar um perfume para ungir seus pés, poderia vender e pegar o dinheiro para matar o fome dos pobres.  Uma atitude comovente deste homem, só que Jesus via o que as pessoas não viam e logo  desmascara o ladrão, o interesseiro, que queria usar o sofrimento alheio, a miséria alheia, o pobre para ganhar seu conforto, sua riqueza, seu luxo. 

Judas era um ladrão disfarçado de bom homem que andava com Jesus, e por isso mesmo conseguia enganar muitos, porque o fato de está com Jesus, também lhe dava credibilidade e confiança para com algumas pessoas de sua época. Quem ia duvidar de um homem desse?  

No texto bíblico do Evangelho segundo São João 12, 1-11,  Jesus entra na casa de Lazaro e Maria lava os pés de Jesus com um perfume muito carro e depois enxugou com seus cabelos. Ai entra em ação o homem que queria mais o bem dos pobres do que o próprio Cristo,  porque Jesus queira em primeiro lugar  salvar alma dos pobre (pecadores), claro sem deixar de se preocupar com o alimento material para o corpo, mais como a salvação da alma não é algo visível aos nossos olhos é pela fé em Jesus, mais o fome é, então Judas vai pelo lado da fome sem se importar que a alma do faminto vai se salvar ou não, o importante é que com isso ele tirava um pouco para ele. " Porque não se vendeu este perfume por trezentas moedas de prata, para dá-las aos pobres ? Judas falou assim não porque se preocupasse com os pobres, mas porque era ladrão; ele tomava conta da bolsa comum e roubava o que se depositava nela".

Jesus, vendo que o interesse do seu discípulo era tirar proveito da situação para o seu bem próprio, Jesus o adverte:  " Deixa-a; ela fez isto em vista do dia da minha sepultura. Pobres, sempre os tereis convosco, enquanto a mi nem sempre me tereis".

O resultado da falsa honestidade de Judas foi trair o próprio Jesus e O entregar aos malfeitores que o Crucificaram. Por isto neste dias nós fazemos memoria deste acontecimento para que ele sirva de reflexão para todos nós, sobre qual tem sido os nossos interesses com Jesus e com os pobres. Se dizemos que andamos com Jesus, mais o traímos nas escondidas, não vivendo de acordo com sua palavra, de acordo com os mandamentos de Deus, que o exemplo trágico de Judas, nos ensine há não fazer a mesma coisa para não termos o mesmo destino.

O evangelista João, também discípulo, narra as palavras de Jesus sobre o fim de Judas o ladrão: JO17, 12:  " Conservei os que me deste, e nenhum deles se perdeu, exceto o filho da perdição, para que se cumprisse o que estava nas escrituras".

* Chico Rocha é jornalista e radialista

Siga no Google News
Postar um comentário

Comentários