Iklan

iklan

Suspensão do julgamento no STF do marco temporal causa apreensão entre indígenas

27 de agosto de 2021 | 27.8.21 WIB Last Updated 2021-08-27T23:41:12Z

 


Foto: Aktxawã Júnior / Acampamento Luta Pela Vida

 

Vindos de todas as regiões do país, cerca de 6 mil indígenas, de mais de 170 povos, estão mobilizados na capital federal desde a semana passada. Mais de 100 índios são de 13 etnias do Acre, que lutam pela garantia de seus direitos originários e contra o marco temporal, nesta que tem sido a maior mobilização indígena pós-constituinte. 

 

Mobilizados no acampamento “Luta pela Vida”, previsto para durar até amanhã, a pauta principal está relacionada com o julgamento no Supremo Tribunal Federal, que é considerado pelo movimento e também por políticos, o processo mais importante do século sobre a vida dos povos indígenas.

 

O julgamento no Supremo Tribunal Federal do marco temporal foi suspenso nesta quinta-feira e só será retomado na próxima quarta-feira, dia 1º de setembro. Vigílias no STF e apreensões no acampamento marcaram o dia de ontem por conta do adiamento da decisão da corte.

 

O marco temporal é tese defendida, principalmente, por grupos ruralistas que diz que a demarcação deveria ocorrer se as terras estivessem sob posse dos indígenas até o dia 5 de outubro de 1988, quando a nova Constituição foi promulgada, ou que, naquela data, estivessem sob disputa física ou judicial comprovada.

 

O acampamento Luta pela Vida também denuncia os projetos anti-indígenas em tramitação no Congresso Nacional e o agravamento da violência contra os povos originários dentro e fora dos territórios tradicionais

Comente
Deixe o seu comentário
  • Suspensão do julgamento no STF do marco temporal causa apreensão entre indígenas

Tendências