Bolsonaro chamou os líderes da CPI da Covid de bandidos

 


O presidente Jair Bolsonaro chamou os líderes da CPI da Covid de “bandidos” durante cerimônia de inauguração da Estação Radar de Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul. “Não conseguem nos atingir; não vai ser com mentiras ou com CPI integrada por sete bandidos que vão nos tirar daqui”, disse à plateia.  

 

Em seguida, reafirmou o alinhamento político entre o governo e o Congresso. “Nossos amigos do Legislativo têm nos dado grande apoio em todas as propostas que temos apresentado”, disse.  

 

“Só tenho paz e tranquilidade porque sei que, além do povo, temos Forças Armadas comprometidas com a democracia e com a Liberdade”. Fonte: Por Agência Estado.  

 

O país, por mau comportamento de seu governante, passa por um momento bastante delicado. É muito grave quando o presidente da República não demonstra atitude de estadista e desrespeita os indivíduos, as instituições e o Parlamento, chegando ao extremo da incivilidade ao chamar de bandidos sete integrantes da CPI da Covid, ou seja, os senadores Renan Calheiros, Otto Alencar, Omar Aziz, Humberto Costa, Randolfe Rodrigues, Rogério Carvalho e Alessandro Vieira.    

   

Segundo o dicionário, bandido é pessoa que comete crimes (malfeitor, assaltante, criminoso, delinquente, ladrão, marginal etc.).  Ou pessoa de má índole (canalha, patife, salafrário, sem-vergonha, velhaco etc.).    

   

É inadmissível que um mandatário da República venha se referir a um grupo de senadores com adjetivação difamatória, sem prova. Falta virtude ao presidente Bolsonaro em seus arroubos de fúria e de má conduta contra os seus semelhantes, contra as instituições, contra políticos do Senado Federal.  

 

Espera-se que os sete senadores desmoralizados pelo presidente da República, em defesa da honra e da imagem do Parlamento, apresentem ao STF queixa-crime de calúnia, injúria e difamação contra o senhor presidente.  

   

Outro dia, o senador Flávio Bolsonaro, que não faz parte da CPI da Covid, chamou o relator, senador Renan Calheiros, de vagabundo. Que ambiente da República é esse, testemunhado por milhões de telespectadores, onde os parlamentares não se respeitam e as ofensas não são levadas ao Conselho de Ética e nem às instâncias policiais e judiciárias?    

   

 A sociedade trabalhadora que paga os salários dos senhores políticos não pode aceitar este quadro degradante protagonizado pelo chefe da nação e por parlamentares. É uma vergonha ao país perante o concerto das nações civilizadas o comportamento de nosso presidente da República, bem como de senadores da base governamental.    

 

Júlio César Cardoso

Servidor federal aposentado

Balneário Camboriú-SC

 

 

Postagem Anterior Próxima Postagem