Tarauacaense é destaque na Alemanha

 


Por Francisco Araújo 

Acreano de Tarauacá, o diplomata Francisco da Chagas Freitas é destaque na imprensa alemã. O jornal Frantfurter Allgemeine traz na edição de hoje, 16, reportagem assinada por Kevin Hanschke, sobre a coleção de obras de arte de Freitas: “Pintura da RDA na América do Sul – O Tesouro de Arte Oriental de Brasília”.

 

Chagas Feitas é um dos maiores colecionadores de arte da época de reunificação alemã. “No apartamento do diplomata ele guarda as pinturas subversivas como um tesouro. Ele coleciona obras de Hermann Glöckner, Eberhard Göschel, Gerda Lepke, Peter Hermann e muitos outros. Lá ele cria um mundo além do realismo socialista dominante, que agora está sendo ressuscitado no Museu Estadual de Arte Moderna de Brandenburgo em Cottbus e também conta a história de um colecionador de arte especial”, destaca o jornal.

 

Pintura da RDA na América do Sul

O Tesouro de Arte Oriental de Brasília

 

Diplomacia na selva: O Museu Estadual de Brandemburgo Cottbus mostra como os pintores da Alemanha Oriental chegaram à Amazônia e conta a história de uma coleção especial.

 

Por KEVIN HANSCHKE

 

Em seu apartamento pré-fabricado, as fotos estavam empilhadas até o teto. O ano é 1985, na Leipziger Strasse 65, em Berlim Oriental, em um prédio diplomático bem na beira do Muro. É aqui que mora Francisco Chagas Freitas, que havia chegado à capital da RDA um ano antes, em pouco tempo mergulhou no cenário artístico underground e se tornou um dos mais importantes colecionadores de arte do estado.

 

No apartamento do diplomata ele guarda as pinturas subversivas como um tesouro. Ele coleciona obras de Hermann Glöckner, Eberhard Göschel, Gerda Lepke, Peter Hermann e muitos outros. Lá ele cria um mundo além do realismo socialista dominante, que agora está sendo ressuscitado no Museu Estadual de Arte Moderna de Brandenburgo em Cottbus e também conta a história de um colecionador de arte especial.

 

De 1984 a 1991 Freitas foi adido cultural da embaixada brasileira na Alemanha Oriental. Depois de completar seu treinamento diplomático, ele veio para a Alemanha Oriental com vinte e poucos anos, no meio do degelo. Seu chefe na época, o embaixador Mario Clabria, também era um amante da arte e o apresentou à arte contemporânea na RDA.


Os dois compartilham uma paixão pela arte abstrata do país socialista, que não foi mostrada nas mostras nacionais de arte. Eles são particularmente fascinados pelos artistas que caem nas rachaduras do mundo da arte. Artistas que trabalharam de forma abstrata, expressionista e não figurativa.


No "melancólico leste de Berlim", como muitas vezes disse depois, buscou contato com artistas da "segunda camada". Seu status diplomático e salário cambial eram os ingressos para a cena artística, que distinguia entre underground e estadismo, e para uma vida boêmia colorida que pode ser adivinhada na exposição Cottbus.


Ele tem seus contatos mais intensos em Dresden. A cidade do Elba, com a academia de arte, torna-se seu lugar de saudade. O diplomata obtém as tintas acrílicas difíceis de encontrar do Ocidente para os artistas e compra suas obras. O primeiro artista que fez isso com Freitas por causa de sua linguagem visual radical foi Max Uhlig. Em 1984 ele adquiriu a pintura a óleo "Paisagem" de 1979, que mostra impressões de uma região árida em Mecklenburg-Pomerânia Ocidental em traços expressivos, na galeria Rotunde no Altes Museum em Berlim.


Será a primeira foto de sua coleção. Uhlig, que não se conformava com o cânone da política da arte, teve pouco sucesso no início. Seu avanço artístico veio somente após a reunificação, também através de seus retratos excêntricos. Ele fez um para Freitas em meados dos anos oitenta. Na imagem tracejada ele é representado como um pássaro emplumado. Ao lado deles estão os punks de Angela Hampel e os dançarinos de Helge Leiberg.


O escultor Hans Scheib também estudou em Dresden nos anos setenta. Freitas recebe dele uma foto que mostra o contorno de uma pessoa deitada no chão. Pretos escuros formam uma sombra que envolve a figura. Alguns anos depois, em 1989, Peter Hermann pintou o diplomata: como um jovem pensativo, com óculos de aro de tartaruga e terno bege - uma imagem simbólica desta década.


"Invadiram meu apartamento à noite"


A vida cotidiana na RDA, que estava se tornando cada vez mais difícil para os artistas freelancers, os inspirou a criar pinturas carregadas de místicas que levam a um mundo de sonhos. Em 1989, Karla Woisnitza pintou "Abacate (Avocado)", uma pedra de abacate brotando na frente de um fundo preto como breu.


Pouco antes da queda do Muro de Berlim, não apenas seus companheiros, mas também ele próprio foram alvos da segurança do Estado. "Eles invadiram meu apartamento à noite. Eles viraram todas as fotos de cabeça para baixo para mostrar que estavam lá", diz ele em entrevista. Essa ruptura também é evidente na coleção. Um anjo azul paira sobre a cidade encharcada de vermelho. Suas asas estão abertas. O olhar desliza sobre as pessoas que ficam para trás.


A pintura "Adeus Dresden" de Wolfgang Scholz é uma obra fundamental. O artista se despediu de sua cidade natal e criou uma elegia de abandono e ser abandonado - sentimentos que faziam parte do cotidiano de Freitas para muitos, seja porque eles próprios fugiram da Alemanha Oriental ou porque outros o fizeram.


A mostra é também um mosaico dos nichos da história da arte da RDA a que Freitas recorreu. A “paisagem” azul de Gerda Lepke de 1985, pintada com pinceladas rápidas, indica a direção em que a Secessão de Dresden 89, que ela cofundou, tomou durante o período de reunificação: arte radicalmente contemporânea de artistas que querem trabalhar na convulsão social e romper o espartilho da RDA para libertar. Eles também foram apoiados por Freitas.


Nunca exibido na Alemanha


Logo após a reunificação, Freitas saiu de Berlim e levou o acervo, que já somava mais de 1.200 obras, para o Brasil, onde guardou parte do acervo em seu apartamento em Brasília e o restante em depósitos de adegas. Durante anos, a maior coleção de arte da RDA no exterior não foi visível ao público. Mas, apesar da falta de espaço em seu apartamento, o diplomata continua colecionando e adquirindo mais obras de arte orientais de longe. As fotos vieram a público pela primeira vez em 2005, quando Freitas emprestou as obras de arte para exposições no Brasil.


Na Alemanha, por outro lado, a maior coleção estrangeira não era exibida há trinta anos. "Nunca houve interesse", diz Freitas criticamente. Em sua avaliação, mesmo 31 anos após a queda do Muro, a história da arte alemã ainda não foi contada. "A arte da RDA contém muitos tesouros, especialmente além do realismo socialista", diz ele. A mostra Cottbusser é, portanto, um primeiro passo para levantar esse tesouro e colocar as imagens à disposição do discurso da arte na República Federal.


Um frenesi de imagens: a coleção Chagas Freitas – arte da RDA e sua viagem ao Brasil . No Museu do Estado de Brandemburgo, Cottbus; até 27 de fevereiro. Sem catálogo


                                       Maneira tediosa: "A pé" de Erika Stürmer-Alex, 1978

 

                                      Peter Herrmann pintou Freitas em 1989 como um jovem pensativo.


                         Abacate (abacate) por Karla Wosnitza como um símbolo para a queda do socialismo.

                                        

                                                  Reportagem do jornal Frantfurter Allgemeibe

 

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem