Iklan

iklan

DIA DOS PROFESSORES: UMA PANORÂMICA DO QUE VI EM QUASE 30 ANOS

15 de outubro de 2021 | 15.10.21 WIB Last Updated 2021-10-15T13:53:53Z

 


Por Edinei Muniz

Dos meus 47 anos de idade, em 28 deles, estive, em ritmo diário, à frente de pelo menos uns duzentos jovens.

Na primeira década dessa fascinante jornada, trabalhei os três turnos. Era um tempo de escolas cheias e turmas de 50 alunos não eram incomuns.

Juntando os contatos diários, por turmas e turnos, a depender do horário escolar, cheguei a ter à minha frente uns 400 jovens todos os dias.

Apesar de extremamente desgastante, ao ponto de dar causa a problemas nas cordas vocais que me obrigaram à intervenção cirúrgica, quem nos viu e ouviu nesses anos todos, poderá testemunhar.

Além dos conteúdos científicos das Ciências Biológicas, da valorização das Ciências em geral, da Filosofia e das artes, nunca deixou de ser objeto da nossa pregação diária a valorização da liberdade individual e a busca do melhor padrão de produtividade visando aproximação com o mérito competitivo.

No entanto, a progressiva desvalorização do mérito, decorrente da absurda política de aparelhamento, prática comum a quase todos os governos, combinada com a frágil e incipiente perspectiva de abertura de novas oportunidades econômicas,  acabou favorecendo o distanciamento dos jovens das escolas, ao ponto de sermos um dos líderes do triste ranking nacional da ociosidade juvenil.

Em cenário de progressiva escassez de postos de trabalho, o Estado do Acre, em afrontosa ofensa à Ordem Jurídica, optou pelo manejo eleitoral das oportunidades.

E após a instalação de uma nefasta e gravíssima política de apadrinhamento, promovida irresponsavelmente pelos atores da política estatal, o reflexo na outra ponta veio à jato.

A juventude, largando livros, cadernos, sonhos, canetas e esperanças, acabou virando as costas para as escolas e passou a ser noticiada nas páginas policiais, situação escandalosamente demonstrada através do posicionamento do Acre na liderança nacional das taxas de encarceramento de jovens e também dos índices extremados de vulnerabilidade juvenil.

Se não bastasse, no ambiente mais propício ao diálogo com a juventude, que são as próprias escolas, ignorando a Lei de Gestão Democrática, instalou-se um regime policialesco de intervencionismo em ambiente que deveria gozar de ampla autonomia pedagógica.

Tal quadra de absurdos, acabou afetando a produtividade de gestores e demais educadores, culminando com um impactante choque de demandas reprimidas que ecoou no ano de 2015, naquele que foi o maior e mais fortemente audível grito por valorização e respeito já visto na educação acreana e que serviu de anúncio de busca de novos tempos.

Em ambiente permanentemente tensionado por intervencionismos descabidos e infantilmente dominado pela busca de máscaras de indicadores técnicos manipuláveis que, ao invés de impactarem favoravelmente o nível educacional e produtivo da juventude, acabaram reduzidos à frieza numérica e cartesiana do IDEB.

Deste modo, a rede de ensino, que deveria ser um canal de garimpagem e  construção de boas práticas e experiências pedagógicas, acabou se transformando numa rede de intrigas, visivelmente demonstrada através do inaceitável e horrendo isolamento administrativo de inúmeras escolas, em especial,  aquelas que, na busca do cumprimento das próprias obrigações, optaram por  exigir valorização, autonomia e respeito como práticas cotidianas, essas que, por sinal, são as únicas opções que lhes cabem frente aos vetores da gestão democrática.

Em síntese, o Acre assiste há pelo menos uma década e meia uma progressiva onda de distanciamento das escolas do papel de serem, por influência e irrecusável vocação, os melhores  laboratórios de construções de esperanças e perspectivas para a juventude.

Por tudo isso, com o olhar atento nas mudanças que virão, não podemos mais admitir que o estado siga, como um dia já seguiu, sugerindo as cadeias como  oferta de políticas públicas para a juventude ao mesmo tempo em que trata os efeitos desse abandono como se segurança pública fosse problema só de polícia.

A educação será convocada a se fazer presente na linha de frente na busca de melhores níveis de estabilização social frente à gravidade do quadro que vivemos.

Sempre seremos convocados! E sempre estaremos presentes!

Feliz dia dos professores a todos os milhares de amigos de luta. Tamujunto!!!

Comente
Deixe o seu comentário
  • DIA DOS PROFESSORES: UMA PANORÂMICA DO QUE VI EM QUASE 30 ANOS

Tendências