Bolsonaro tinha "assessoria paralela" sobre a pandemia; diz Mandetta na CPI

 


O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou, nesta terça-feira (4/5), em depoimento à CPI da Covid no Senado, que o presidente Bolsonaro tinha uma "assessoria paralela" para tratar de assuntos relacionados à pandemia da covid-19. Mandetta disse ainda que o chefe do Executivo se encontrava com pessoas que não faziam parte do governo, entre elas, médicos que faziam recomendações sobre a doença.

O ex-ministro afirmou que o vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, esteve presente em diversas reuniões sobre o tema. "Em diversas reuniões no Palácio do Planalto, o vereador, filho do presidente da República, estava presente, tomando nota", disse Mandetta. Ele citou, que neste encontro, estava sob a mesa um ofício recomendando que fosse alterada a bula da cloroquina, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A alteração deveria ocorrer para incluir a covid-19 entre as doenças "tratadas" com o medicamento. No entanto, de acordo com Mandetta, o presidente da Anvisa, presente na reunião, se negou a atender o pedido. Na ocasião, havia um grupo de médicos em reunião com o governo. Com informações do Correio Braziliense.

Postagem Anterior Próxima Postagem