Senado aprova afastamento de gestantes do trabalho presencial durante a pandemia

 


O Senado aprovou a proposta da deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB) que determina o afastamento da gestante do trabalho presencial durante a pandemia, para proteger essas mulheres da contaminação pelo coronavírus. 

O texto vai à sanção de Jair Bolsonaro.

Nas redes sociais, a deputada agradeceu “ampla mobilização pela vida” e destacou a importância de seu projeto. Segundo ela, é urgente que Bolsonaro sancione o projeto.

 

“Travamos uma luta árdua. Poderíamos ter dado uma resposta mais rápida, o projeto ficou parado 8 meses no Senado, mas o importante é que a nossa proposta foi aprovada e, agora,  poderá ajudar a salvar duas vidas: a da mãe e a da criança”, comemorou Perpétua Almeida.

 

Quando apresentou o projeto em julho de 2020, a deputada informou que a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) estava preocupada com o aumento crescente no número de mortes maternas por Covid.  A instituição esclareceu que na época, no Brasil, o número era 3,5 vezes maior que a soma do número de mortes maternas já reportadas por outros países.

 

“No mesmo período do ano, foram computadas 160 mortes maternas por Covid-19 no mundo. Significava que a cada dez mortes maternas, 8 aconteciam no Brasil. Imagine agora com novas cepas mais letais e que se espalham mais rapidamente? Obrigar mulheres grávidas a trabalharem presencialmente, carregando outra vida com elas, foi uma maldade sem tamanho”, ressalta Perpétua.  Segundo dados da ONU Mulheres, como resultado da Covid-19, mais de 39% das mulheres podem morrer durante a gravidez.

Postagem Anterior Próxima Postagem