CGU e Polícia Federal deflagram mais duas fases da Operação Rota BR 090

 


A Controladoria-Geral da União (CGU) participa, nesta quinta-feira (15/04), em Minas Gerais, de mais duas fases da Operação Rota BR 090: Pique-esconde 1 e Pique-esconde 2. O trabalho é realizado em parceria com a Polícia Federal (PF). O objetivo é elucidar as formas utilizadas para “lavagem” de recursos auferidos com as fraudes por um fiscal do DNIT/MG e um empresário, ambos alvos da 1ª fase, deflagrada em 2019.

 

Durante a análise do material apreendido na 1ª fase da Operação Rota BR 090, verificou-se a existência de indícios de que os investigados receberam vantagens indevidas de empresários, por meio de empresas fantasmas que simulavam a prestação de serviços, com a finalidade de ocultar seu real patrimônio. Tratava-se de um esquema de lavagem de dinheiro advindo das atividades ilícitas perpetradas após recebimento de valores provenientes de contratos celebrados com o DNIT/MG.

Nas investigações foi identificado, ainda, uma série de indícios de fraudes nas licitações e na execução dos respectivos contratos, com possível desvio de verbas públicas por meio da cobrança de serviços não executados, bem como a utilização de pessoas físicas para dissimular ou esconder a origem ilícita de determinados ativos financeiros ou bens patrimoniais adquiridos com os recursos provenientes das fraudes.

 

As 5ª e 6ª fases da Operação Rota BR 090, deflagradas hoje (15/04), relacionam-se com a execução de contratos de obras de manutenção rodoviária nas regiões de Oliveira (MG) e Passos (MG) que perfazem um total de quase R$ 130 milhões.

 O Estado de Minas Gerais possui a maior malha rodoviária do Brasil. O desvio de recursos relacionados à manutenção das rodovias, além de causar um prejuízo humano imensurável, também impacta diretamente a economia do país, tendo em vista que as rodovias são o nosso principal meio de transporte de mercadorias.

 As Operações Pique-esconde 1 e Pique-esconde 2 consistem no cumprimento de 7 mandados de busca e apreensão, nos municípios de Belo Horizonte (MG) e Oliveira (MG), e de 29 afastamentos de sigilos fiscal e bancário. O trabalho conta com a participação de 29 policiais federais e de 5 auditores da CGU.

A CGU, por meio da Ouvidoria-Geral da União (OGU), mantém o canal Fala.BR para o recebimento de denúncias. Quem tiver informações sobre a Operação Rota BR 090 ou sobre quaisquer outras irregularidades, pode enviá-las por meio de formulário eletrônico. A denúncia pode ser anônima, para isso, basta escolher a opção “Não identificado”.

 

Postagem Anterior Próxima Postagem