A lógica das fake news foi inaugurada a pedido do PT, diz Marina Silva

 


A ex-senadora Marina Silva chamou de "pai das fake news" o ex-marqueteiro político do PT João Santana ao relembrar da campanha eleitoral à presidência em 2014,  quando ainda pelo PSB protagonizou um embate com a então candidata Dilma Rousseff.

"Não vamos nos esquecer que ele (João Santana) é o pai das fake news. Foi ele que, a pedido do PT, também não vamos nos esquecer, em 2014, inaugurou a lógica de projeto vitorioso com base na desconstrução, na mentira e na violência política", disse Marina.

Em entrevista ao Yahoo Notícias concedida nesta quinta-feira 29, Marina Silva, candidata três vezes à Presidência da República criticou a contratação de Santana pelo PDT para assumir a comunicação do partido e afirmou que o publicitário "não contribui para o debate político".

"Em relação à contratação de João Santana pelo PDT, claro que eu não tenho aqui que falar aqui pelo PDT, pelo Ciro em relação às razões e motivações para essa contratação. O que eu posso dizer é que João Santana não contribui, no meu entendimento, ao debate político nos termos que eu defendo desde 2014", completou.

A principal crítica de Marina à campanha de Dilma comandada por Santana diz respeito a uma propaganda veiculada na televisão no horário eleitoral gratuito, na qual o PT condenava a proposta do PSB a respeito da autonomia do Banco Central.

A propaganda mostrava uma cena em que supostos banqueiros davam risada em uma mesa de reunião. Em seguida, aparecia uma família feliz sentada à mesa fazendo uma refeição. Aos poucos, a comida ia desaparecendo dos pratos e as expressões de felicidade se transformavam em tristeza. 

Ao fundo, um locutor dizia que o poder dos bancos aumentaria por causa da proposta de Marina e que isso significaria dar “poder aos banqueiros” de decidir até sobre “empregos e salários” da população.

Postagem Anterior Próxima Postagem