"Política é do governo, não do ministro", diz Queiroga

 


O novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, deve dar continuidade à política de combate à pandemia de Eduardo Pazuello. Na manhã desta terça-feira 16, antes de conversar com o general, Queiroga falou à imprensa na entrada do Ministério que será mero executor das políticas de Jair Bolsonaro (sem partido).


O posicionamento já era esperado, uma vez que Queiroga foi indicado pelo senador Flávio Bolsonaro e é considerado um "bolsonarista raiz". Em seu perfil do Twitter, Queiroga já elogiou Jair Bolsonaro. "A política é do governo Bolsonaro, não do ministro. O ministro executa a política do governo", disse ele esta manhã.


Queiroga, que é presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), tem perfil técnico e foi anunciado como substituto de Eduardo Pazuello no comando da Saúde no pior momento da pandemia no Brasil, com quase 280 mil mortes por covid-19 Ele será o quarto ministro da Saúde desde o início da pandemia, há um ano.


Ontem, depois de ter seu nome anunciado para a pasta, Marcelo Queiroga se mostrou alinhado ao presidente Bolsonaro quando o assunto é lockdown. Em entrevista à CNN Brasil, afirmou que a medida é extrema e não pode ser uma política de governo.

 

Postagem Anterior Próxima Postagem