Descentralização: Cooperativas de Transporte seria uma das alternativas para a solução dos problemas no transporte coletivo no Acre

                                      Valdemiro Rocha, presidente da OCB/AC

Por: Enarde Fernandes – ASCOM/OCB

 

Nos últimos dias na capital do Acre, Rio Branco, a sociedade vem sofrendo com a greve dos motoristas de transporte coletivo, em que os principais afetados são os usuários e os trabalhadores. 

 

No sábado da última semana, chegou ao seu sexto dia com a greve dos motoristas e segundo a Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (RBTrans), apenas 38 veículos estavam em circulação na cidade, totalizando cerca de 30% da frota.

 

Para o presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras no Acre (OCB/AC), Valdemiro Rocha, disse que, umas das soluções para o transporte coletivo está no descentralismo. “Precisamos seguir o modelo do Estado do Pará, no município de Belém, o prefeito junto ao governo criou um programa de descentralização da prestação de serviços no transporte coletivo, que agora é feito por centenas de famílias, no uso de vans, micro-ônibus e táxi compartilhado. Com esse modelo se gera ocupação e renda, e não enriquece apenas duas ou três famílias de empresários”, enfatizou Rocha.

 

“Isso é um verdadeiro absurdo o que estão fazendo as empresas de transporte coletivo, chantageando o poder público, o executivo municipal e legislativo, utilizando os trabalhadores para seus interesses. A aprovação do PL seria imoral e inconstitucional”, finalizou.

 

SOBRE O TRANSPORTE COMPLEMENTAR DE BELÉM

 

No último dia 30 do mês de novembro, as cooperativas de transporte do Estado do Pará comemoraram a regulamentação das atividades, com a liberação das Ordens de Serviço (OSs) para 16 cooperativas atuarem em linhas na região metropolitana, as entregas das OSs foram feitas pelo prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho. A medida visa reforçar a oferta de transporte regular e legal de passageiros.

Postagem Anterior Próxima Postagem