Alcolumbre e Bolsonaro chegam a comum acordo por sucessão no Senado

 


Foto: Sérgio Lima/Poder 360


O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), ajudará o presidente Jair Bolsonaro a escolher seu sucessor no cargo. Os chefes do Executivo e do Legislativo se encontraram na noite da 3ª feira (8.dez.2020) para debater o tema e se acertaram depois que o STF (Supremo Tribunal Federal) barrou a reeleição do amapaense.

Alcolumbre quer fazer seu sucessor no Senado agora que teve derrota na Justiça. Dos nomes que tem em mente, os com mais chance de angariar o apoio do Planalto são o do líder do Governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO) e de Nelsinho Trad (PSD-MS). A decisão final deve ser tomada ainda em 2020.

Desde que foi impedido de concorrer à reeleição, Alcolumbre procurou conversar com senadores individualmente. Falará com as bancadas depois. Mas não deve se indispor com o presidente Bolsonaro.

Segundo interlocutores do senador, ele trabalha com uma lista de favoritos com 6 nomes que não incluem nenhuma opção do MDB, a maior bancada da Casa. São eles: Antonio Anastasia (PSD-MG), Nelsinho Trad (PSD-MS), Lucas Barreto (PSD-AP), Rodrigo Pacheco (DEM-MG), Marcos Rogério (DEM-RO) e Daniella Ribeiro (PP-PB).

Apesar de Bolsonaro ter garantido ao senador que apoiará seu escolhido, a vontade do Executivo deve falar mais alto. Alcolumbre se dá bem com Eduardo Gomes, favorito de Bolsonaro, e o desejo de manter uma boa relação com o Planalto depois que deixar presidência deve pesar para a decisão do demista.

Tradicionalmente, o presidente do Senado é da maior bancada. Para que isso não ocorra, é preciso fatores muito específicos como os vistos na eleição do próprio Alcolumbre, em 2019. O MDB rachou em torno de Renan Calheiros (MDB-AL) e Simone Tebet (MDB-MS) e acabou optando pelo senador alagoano.

Renan representava na visão de todos a chamada “velha política”, que acabara de ser derrotada por Bolsonaro nas urnas. Nesse cenário surge Alcolumbre, que angariou 42 votos para se eleger presidente da Casa.

A votação ainda precisou ser realizada duas vezes. Na 1ª, foram identificados 82 votos (sendo que só há 81 senadores). Assim, a eleição foi anulada e refeita.

Essa tradição que privilegia a maior bancada também ajuda Eduardo Gomes a sair na frente na corrida pela sucessão de Alcolumbre como alternativa que agradaria o Planalto e o Senado. Já Nelsinho Trad aparece como opção no caso de um novo racha emedebista.

O líder da sigla no Senado, Eduardo Braga (MDB-AM), já disse que o partido terá candidato em fevereiro. Tanto Braga quanto Simone Tebet (MDB-MS), que tentou ser candidata em 2019, são nomes que também aparecem como postulantes dentro da sigla, mas sem o apoio de Bolsonaro.

Eis um resumo das chances dos postulantes se tornarem presidentes do Senado:

Favoritos

Para Alcolumbre, há 2 nomes que podem emplacar e sustentar uma boa relação com Bolsonaro:

·          

    • Eduardo Gomes (MDB-TO);
    • Nelsinho Trad (PSD-MS).

Outras possibilidades

Outros nomes têm sido mencionados por Alcolumbre, mas com menos chances:

  • Lucas Barreto (PSD-AP);
  • Rodrigo Pacheco (DEM-MG);
  • Marcos Rogério (DEM-RO);
  • Daniela Ribeiro (PP-PB).

Quem tem chance baixas

  • Antonio Anastasia (PSD-MG);
  • Eduardo Braga (MDB-AM);
  • Simone Tebet (MDB-MS);
  • Tasso Jereissati (PSDB-CE);
  • Esperidião Amin (PP-SC).
  • Por Poder 360

 

Postagem Anterior Próxima Postagem