No Acre, idoso de 78 anos morre esperando durante 15 meses tratamento contra o Câncer.



 SE AS FERIDAS DO TEU PRÓXIMO NÃO LHE CAUSAM DOR, A SUA DOENÇA É PIOR QUE A DELE.


EMPATIA é sentir com as pessoas, não apenas pelas pessoas, colocar-se no seu lugar, por mais triste e escuro que ele seja, é saber ouvir  o que alguém sente, sentir sua dor e dizer: VOCÊ NÃO ESTÁ SOZINHO, EU ESTOU AQUI, é você como um “agente público”, responsável por um órgão que faz o encaminhamento de pessoas para se tratarem fora do seu domicílio, tenham acesso ao tratamento de suas enfermidades, com atenção, respeito e consideração ao ser humano.


Foi exatamente isso que aconteceu no Estado do Acre, na Cidade de Cruzeiro do Sul, onde o SR. RAIMUNDO DIOGO DA SILVA, de 78 anos”, aguardou por 15 meses, ou 450 dias, tratamento contra um CÂNCER DE LARINGE, que deveria ter sido realizado no prazo estipulado por “Lei”, mas acabou não acontecendo, por absoluta negligência da responsável pelo TFD DE CRUZEIRO DO SUL, que acabou contribuindo para “falecimento” do idoso acima citado, ocorrida no dia 19 de Outubro de 2020, às três horas da manhã, no BAIRRO MIRITIZAL, tendo como causa morte: CÂNCER DE LARINGE, INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA E OBSTRUÇÃO DA VIA AÉREA ALTA, comprovando a atitude da mesma que: SE ÀS FERIDAS DO PRÓXIMO, NÃO LHE CAUSAM DOR, a doença dela é pior do que dás pessoas que a procuram para dar entrada no (TFD), ou seja: DOENÇA DA FALTA DE EMPATIA E DA FALTA DE AMOR AO PRÓXIMO.

 


ENTENDA O CASO: Na data de “13 de Outubro de 2020”, este Jornalista recebeu “via email” uma denúncia da SRA. ALDEANE CAVALCANTE, de Cruzeiro do Sul, relatando que no dia (24-07-2019) foi pessoalmente ao TFD DE CRUZEIRO DO SUL, localizado na Rua Leopoldo de Bulhões, Nº 216, Bairro do Alumínio, para dar entrada no “Tratamento Fora do Domicílio” do SR. RAIMUNDO DIOGO DA SILVA, “idoso de 78 anos de idade, Portador de Câncer na Laringe”, que era sozinho e sem família, por isso o abrigava em sua casa e cuidava do mesmo, onde na época levou toda a documentação exigida pelo (TFD), ou seja, biópsia, relatório e laudo médico, comprovando que o mesmo precisava viajar com “urgência” para (Porto Velho em Rondônia), pois em (CZS) não havia tratamento contra o CÂNCER, que até o dia (13-10-2020) não havia recebido nenhuma resposta por parte da GERÊNCIA ADMINISTRATIVA DO COMPLEXO REGULADOR DO VALE DO JURUÁ, por isso precisava “URGENTE” da ajuda desse JORNALISTA.  



Assim sendo, considerando a gravidade do caso, este REPÓRTER, no dia seguinte ao recebimento do email contendo a denúncia acima descrita, ou seja, “em 14 de Outubro de 2020, na parte da manhã”, entrou em contato “via celular” com a SRA. MANUELA CAMELI SANTIAGO LEBRE, Gerente Administrativa do Complexo Regulador Regional, Agente Pública, responsável pelo TFD DE CRUZEIRO DO SUL, onde me identifiquei como Jornalista e Presidente da (ANDECON) ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DEFESA DO CONSUMIDOR, informando a mesma, que havia recebido uma “denúncia via email” da SR. ALDEANE, relatando que o SR. RAIMUNDO, estava aguardando há 15 meses ser chamado para fazer Tratamento Fora do Domicílio em Porto Velho, em razão de se portador de CÂNCER NA LARINGE,     

 

A mesma pediu o nome completo do idoso, dizendo que iria averiguar o caso e que eu voltasse á ligar em uma hora, o que foi feito, onde me informou que o motivo do SR. RAIMUNDO DIOGO DA SILVA, ter aguardado por 15 meses para fazer o tratamento contra o Câncer na Laringe, “foi em razão de que o MÉDICO que havia vindo de RIO BRANCO na época, para examinar os pacientes com indicação para o Tratamento Fora do Domicílio, não tinha preenchido de forma correta o FORMULÁRIO, ou seja, preencheu somente o cabeçalho, deixando em branco e sem assinar o rodapé do documento”, em seguida solicitou que a SRA. ALDEANNE CAVALCANTE, à procurasse ás (14:00) horas, para conversarem sobre o assunto, onde na oportunidade a SRA. MANUELA CAMELI, mostrou o “formulário preenchido errado”, marcando em seguida uma “reavaliação médica” para o idoso, através do (TFD), para o Dia 09 de Novembro de 2020, no HOSPITAL DO CÂNCER DE RIO BRANCO.

 

Não é novidade a burocracia, o tempo de espera, a humilhação e o descaso, que os pacientes que moram no Estado do Acre, usuários do SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS), enfrentam quando precisam usar o Tratamento Fora de Domicilio (TFD), onde para terem direito ao BENEFICIO são obrigados a cumprirem uma verdadeira “Olimpíada Burocrática”, entre laudos de médicos, de assistentes sociais, encaminhamento prévio de instância municipal, documentos pessoais, que envolvem tempo, deslocamentos diversos e várias outras dificuldades, se transformando num “Verdadeiro Martírio” para os que dependem da SAÚDE PÚBLICA DO ACRE.

 

Mas daí, um idoso de 78 anos de idade, esperar por 15 MESES ou 450 dias, tratamento contra um CÂNCER DE LARINGE, para depois descobrir que o “motivo da demora” foi em razão de que o Formulário de Encaminhamento tinha sido preenchido de forma errada, “ai já é demais”, pois este erro absurdo, acabou por contribuir com a morte do SR. RAIMUNDO DIOGO DA SILVA, no Dia 19 de Outubro de 2020, onde aguardou por 450 dias para ter acesso ao tratamento da doença da que era portador e não teve, por pura negligência da “Agente Pública” SRA. MANUELA CAMELI, que aliás foi “Notificada” formalmente (via email) no dia 16 de Outubro de 2020, bem como também em (19-10-2020), pela ANDECON - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DEFESA DO CONSUMIDOR, á qual solicitou informações formais à cerca do caso em questão, inclusive pedindo que a mesma informasse o nome do MÉDICO, responsável pelo que preenchimento  errado da  documentação do paciente em questão.

 

Estranho ainda foi a SRA. MANUELA CAMELI, não ter se dignado a responder os emails que lhe foram enviados nas datas acima citadas, ressaltando que desde (19-10-2020), dia em que o SR. RAIMUNDO faleceu,  a mesma não atende mais as ligações desse JORNALISTA, talvez achando que “ficará impune” pelo erro ora praticado, em razão de ser “prima” do GOVERNADOR GLADSON CAMELI e ter sido nomeada por ele, “em 25 de Março de 2019”, para exercer o cargo de GERENTE ADMINISTRATIVA DO COMPLEXO REGULADOR REGIONAL DE CRUZEIRO DO SUL, que como “Agente Pública” responsável pelo órgão em questão, será representada pela ANDECON-ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DEFESA DO CONSUMIDOR, em razão da afronta cabal e inconteste das Leis abaixo descriminadas:

 

LEI FEDERAL Nº 12.732/2012: (LEI DOS 60 DIAS)

 

Artigo 2º - O primeiro tratamento ONCOLÓGICO no (SUS) deve se iniciar no prazo máximo de “60 dias” a partir da assinatura do laudo patológico ou em prazo menor, conforme necessidade terapêutica do caso registrada no prontuário do paciente;

Artigo 3º - O descumprimento desta Lei, sujeitará os gestores direta e indiretamente responsáveis ás penas administrativas.

ESTATUTO DO IDOSO, LEI FEDERAL Nº 10.741/2003

Artigo 4º - Nenhum idoso será objeto de qualquer tipo de negligência, discriminação, violência ou opressão, e todo atentado aos seus direitos, por ação ou omissão, será punido na forma da lei;

§ 1º - É dever de todos prevenir a ameaça ou violação aos direitos  do idoso;

Artigo 6º - Todo cidadão tem o dever de comunicar à autoridade competente, qualquer forma de violação a esta Lei, que tenha testemunhado ou de que tenha conhecimento.

QUE ESTADO É ESTE, onde Infelizmente, os Governantes, não tratam a “Saúde Pública” como determina o Artigo 196, da CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL, que dispõe que: saúde é direito de todos e dever do Estado, garantida através de políticas publicas sociais e econômicas que visem à redução de risco e de outros agravos e ao acesso igualitário e universal as ações de serviço, promoção, proteção e recuperação, pois se assim fosse, o SR. RAIMUNDO DIOGO DA SILVA, UM IDOSO DE 78 ANOS, não teria falecido no Dia 19 de Outubro de 2020, esperando à (450) dias, sem ter tido a chance, o direito e a esperança de se tratar contra um CÂNCER DE LARINGE, o qual era portador, tendo com isso, sido desrespeitado totalmente como Ser Humano e Cidadão Brasileiro, em sua passagem aqui na Terra, onde através de um erro absurdo praticado por uma “Agente Pública”, onde não houve por parte da mesma, agilidade, eficiência e rapidez, para a solução do caso.

 

POR, RODINEI LAFAETE




 

 

 

Postagem Anterior Próxima Postagem