Argentina e México vão fabricar vacina de Oxford para América Latina


Foto: Divulgação/Casa Rosada
O presidente da Argentina, Alberto Fernández, anunciou nesta 4ª feira 12, que o país vai ser responsável, junto com o México, pela produção da vacina contra a covid-19 desenvolvida por AstraZeneca e Universidade de Oxford. Os dois países vão abastecer o mercado latino-americano. A exceção é o Brasil, que terá fabricação própria.
O laboratório AstraZeneca, com sede na Argentina, firmou convênio com a Fundação Slim para a produção de 150 a 250 milhões de vacinas destinadas à América Latina“, disse Fernández, em entrevista coletiva.
O presidente argentino destacou que o acordo “coloca a Argentina em uma situação de tranquilidade e de poder ter a vacina quando necessário e a 1 preço razoável”. Fernández afirmou que cada dose deve custar entre US$ 3 e US$ 4. A empresa de biotecnologia mAbxience será a responsável na Argentina pela fabricação da vacina.
Segundo Fernández, o objetivo é ter as doses disponíveis a partir do 1º semestre de 2021. Ele explicou que a vacina será distribuída “de forma equitativa entre os países a pedido dos governos“. A vacina da AstraZeneca está na 3ª fase de testes, a mais avançada.

BRASIL TEM ACORDO PRÓPRIO

O Brasil tem um acordo separado com a AstraZeneca e será responsável pela própria produção. O presidente Jair Bolsonaro assinou no começo de agosto uma medida provisória que abriu crédito extraordinário de R$ 1,9 bilhão para viabilizar a produção e aquisição da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca.
O dinheiro será destinado à Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), que usará o montante para incorporar a tecnologia desenvolvida pela empresa britânica para fabricar a vacina. Com isso, caso a eficácia do imunobiológico seja comprovada, o Brasil deverá produzir 100 milhões de doses até o 2º trimestre de 2021.


Postagem Anterior Próxima Postagem