Coronavírus: Bom sinal em Nova York

Nenhum comentário

Depois de mais de quatro meses, a cidade de Nova York, que já foi o epicentro do novo coronavírus nos Estados Unidos, não registrou nenhuma morte pela doença. Após chegar ao pico da crise em abril, com cerca de 600 óbitos por dia por Covid-19, o centro financeiro dos EUA conseguiu controlar a epidemia com restrições e distanciamento social e já retomou diversas atividades. Por outro lado, o estado da Flórida contabilizou um recorde de 15 mil novas infecções em 24 horas. 

A alta acontece logo após a reabertura de dois parques do complexo da Disney, na cidade de Orlando.
O vírus e os olhos
Uma das principais portas de entrada do coronavírus, os olhos podem ser muito afetados pela doença. Segundo a Academia Americana de Oftalmologia, o vírus causa conjuntivite em 1% a 3% dos contaminados, além de poder atacar a retina, a úvea e causar inflamação na córnea.  

Esses problemas podem ser prevenidos com idas frequentes ao oftalmologista – mesmo durante a pandemia. Além disso, é importante sempre usar máscaras, lavar as mãos, evitar tocar o rosto e fazer a higiene adequada. Todas essas medidas reduzem o risco de contágio e protegem os olhos.

Nenhum comentário

Postar um comentário