Sindicato protocola ofício e solicita medidas para trabalhadores do setor de serviços por ocasião da pandemia

Nenhum comentário

O Sindicato das Empresas Prestadoras de Serviços Terceirizáveis do Acre (Seac-AC) protocolou na quarta-feira, 29, um segundo ofício na Casa Civil, solicitando medidas para os trabalhadores terceirizados que atuam em órgãos ligados ao Estado durante a período de pandemia causada pelo novo coronavírus. O documento foi entregue pelo diretor administrativo do Seac, Jebert Nascimento, que também atua como empresário do ramo em Rio Branco e no interior.

Jebert afirma que a ideia é evitar demissões em massa dos trabalhadores que atuam na prestação de serviços aos órgãos públicos, caso haja plena suspensão de contratos em andamento. O documento também solicita ajustes na Planilha de Custos e Formação de Preços (PCFP), diminuição das horas e contratos sem demissões, remanejamento de pessoal entre os órgãos, análise jurídica e econômica, pagamento de repasses atrasados correspondentes a alguns meses de 2018, 2019 e deste ano, além da inserção de representantes da terceirização no grupo de trabalho criado pelo governo para lidar com a epidemia.

“Todos os membros do Sindicato elaboraram essas diversas sugestões para que essa crise de saúde não gere mais desemprego, são 15 mil trabalhadores terceirizados. Entre as propostas feitas no documento, solicitamos a criação de um comitê de crise com participação de representantes do governo e empresários da área para traçarmos soluções conforme o comportamento dessa epidemia no estado”, explica o empresário.

Segundo o diretor administrativo da entidade, a continuidade no atraso dos repasses por parte do governo, aliada a falta de medidas efetivas, podem gerar uma recessão econômica ainda maior no Acre e aumentar ainda mais o já alto índice de desemprego. “Nós do Seac estamos trabalhando sempre em defesa do trabalhador, vamos continuar pedindo ao governo que providências sejam tomadas para evitar o pior neste momento delicado. Essa classe merece respeito e atenção”, conclui o dirigente sindical.

Assessoria 



Nenhum comentário

Postar um comentário