Senador conseguiu o fechamento da fronteira

Nenhum comentário

Márcio Accioly

Nesta quarta-feira (18), depois de infindáveis apelos do senador Mecias de Jesus (Republicanos-RR), o governo federal publicou portaria, no Diário Oficial da União (DOU), fechando “parcialmente” a fronteira do Brasil com a Venezuela. A restrição é válida por 15 dias. Espera-se que seja o início de mudança há muito reivindicada.

O presidente Jair Bolsonaro justificou o ato com a total impossibilidade de a Venezuela conseguir controlar a transmissão do Covid-19 em seu próprio território. Como se sabe, o vizinho país atravessa crise de gravíssimas proporções, devido à escassez de alimentos, medicamentos e o desmonte total de sua atividade econômica.

Uma das maiores preocupações de Mecias de Jesus diz respeito ao impacto que poderia ser causado pelo coronavírus à população indígena do estado. Os silvícolas têm baixa imunidade a certas doenças portadas pela chamada população branca. Quando os espanhóis chegaram à América, o impacto causado por enfermidades foi devastador.

Apesar de comentar que existe “certa histeria” na insistência do fechamento da fronteira, e que a medida “não irá realizar mágica”, o presidente rendeu-se aos argumentos do senador roraimense. Ele sabe que o congressista conhece como poucos a situação de toda a região e que seus apelos frequentes são fundamentados em inquestionáveis razões.

O presidente Bolsonaro fez questão de deixar claro que o fluxo de mercadorias com a Venezuela “continuará aberto”, e que este não é o caso de “fechamento total”. Ele disse que se tomasse medida radical, com o fechamento total, “a economia de Roraima iria desancar”.

Na CNN brasileira, nova emissora de televisão que entrou em funcionamento no início desta semana, o noticiário destacou a importância da posição assumida pelo senador Mecias de Jesus, que discursou várias vezes em plenário pedindo que a fronteira fosse fechada. Pessoas ligadas ao estado elogiaram a aplicação da medida.

Quanto ao representante roraimense, fez questão de deixar claro que teria preferido o fechamento total, até que passe o momento de dificuldade causado pelo surto do coronavírus, e enquanto a Venezuela procura saída para a crise política que a mergulhou numa ditadura.


Nenhum comentário

Postar um comentário