Ministra interina de Bolsonaro atuou no governo Lula e Dilma


A ministra interina da Mulher, Família e Direitos Humanos (MMFDH), Tatiana Alvarenga, servidora pública que ocupa cargo em função de confiança desde do governo Lula, Dilma.
O caso em questão demonstra que a ministra Damares Alves, titular da pasta da MMFDH não segue a recomendação para “despetizar” o governo federal, conforme orientou em janeiro de 2019 o presidente Jair Bolsonaro os seus ministros.
As esquerdas, aliadas ao centrão e com apoio logístico de simpatizantes como a ministra interina da pasta de Damares, nomeada pelo ex-ministro da Saúde no governo Lula, José Gomes Temporão, para exercer o cargo de Gerente de Projeto da Secretaria de Atenção à Saúde, tem como missão ajudar a reorganizar o PT para eleição presidencial de 2024.
Paradoxalmente, sem ser servidora concursada, Tatiana Alvarenga conquistou duas vagas remuneradas em Conselhos, uma na Casa da Moeda e outra na entidade privada do chamado Sistema S (leia-se SESC).
A ministra Damares Alves prefere fingir que não entendeu que a partir do primeiro governo Lula, seu aparelhamento foi enraizado e, hoje, é fácil manter no seu ministério. Isso, claro, exemplo da Secretária-Executiva do Ministério da Mulher, Tatiana Alvarenga, atual ministra interina  do governo Bolsonaro.


Postagem Anterior Próxima Postagem