Nossos políticos enchem a paciência - Por Cássio Rizzonuto

Nenhum comentário


Cássio Rizzonuto

A senadora juíza Selma (MT), e o senador Styvenson Valentim (RN), ambos do Podemos, denunciam nas redes sociais manobra de Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente do Senado, para enterrar a PEC de segunda instância. Existe acordo de Alcolumbre com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), nessa direção.

A maioria da população fica sem entender razões pelas quais os presidentes das duas Casas do Congresso Nacional agem dessa maneira. Primeiro, os dois criaram cenário em que a PEC só seria votada no próximo ano. Agora, percebe-se que a manipulação vai mais longe, fazendo com que a Proposta jamais seja aprovada.

Quem tem pouquinho de memória lembra-se do que ocorreu com o pacote anticrime, elaborado pelo ministro Sérgio Moro (Justiça) e encaminhado ao Congresso Nacional. Ele foi deformado, pisoteado, desmontado e, agora, parece mais um documento pró-crime. No início da gestão Bolsonaro, houve redução da criminalidade.

Com a soltura dos reclusos, pela decisão esdrúxula do STF, teme-se que os índices voltem a crescer. O STF fez de tudo para liberar Lula da Silva (os membros da Instituição buscam agora uma forma de anular seus processos), mas a decisão teve alto preço: colocou nas ruas outros bandidos de alta periculosidade.

Afinal, que desejam os presidentes das duas Casas Congressuais? O que temem? Rodrigo Maia, que pretende ser candidato a vice-presidente em 2022 (com qualquer um que exiba mínima chance), tem o codinome “Botafogo” na planilha da Odebrecht e foi flagrado em investigações da Lava-Jato. Responde a três inquéritos no STF.

Davi Alcolumbre é alvo de duas investigações no STF, por irregularidades na campanha eleitoral de 2014. Nem Rodrigo Maia nem Davi Alcolumbre têm formação superior e, se por acaso exibirem diploma, nenhum dos dois será capaz de completar ditado dos que eram efetuados no antigo curso primário.

Não é apenas a pecha de corrupto que calha bem à maioria esmagadora de nossos homens públicos. Eles cultuam analfabetismo crônico capaz de envergonhar a qualquer um. Não conseguem se expressar corretamente no idioma pátrio e desconhecem história e rudimentos de filosofia. Mesmo quando estudam o mínimo, agem de forma avacalhada.

Como o atual governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC). Ex-fuzileiro naval, advogado e ex-juiz federal (com longa atuação), terminou humilhado no Peru, durante decisão futebolística, ao se ajoelhar aos pés do jogador do Flamengo, Gabriel Barbosa, que a mídia apelidou de Gabigol. Não pode existir vergonha maior!

A população brasileira não tem para onde correr e parece não existir alternativa. Os eleitos, a cada legislatura, são piores do que os enxotados da anterior. O nível de analfabetismo cresce visivelmente. A maioria dos ungidos pelo voto só é ouvida por ocupar cargos importantes, mas nada tem a acrescentar ou fazer.

Os que entram são piores do que os que saem, já considerados dignos de desprezo e dó. Se quiser aprovar projetos importantes, a população terá de viver nas ruas.

Nenhum comentário

Postar um comentário