Sindmed-AC flagra irregularidades na Unacon e gerente diz que hospital funciona com 40% da capacidade

Nenhum comentário


Com obras paralisadas há cerca de dois anos, com o teto literalmente desabando sobre as cabeças de pacientes e acompanhantes, sem ambulatório, com uma emergência improvisada, contando apenas com 4 leitos, com dois pontos de oxigênio para atender a todos as pessoas que necessitarem e a falta de medicamentos básicos para a quimioterapia, a Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (UNACON) do Acre está longe de ser uma unidade preparada para atender os mais de três mil cidadãos que estão em tratamento continuo e os quase nove mil usuários que passam pelas instalações.

Os médicos do hospital se esforçam para manter tudo em funcionamento, como consultas e quimioterapia, haja vista que as tomografias e a radioterapia não estão sendo realizadas na unidade. O exame de imagem está sendo feito no Into, em Rio Branco, e as pessoas que precisam ser submetidos à radioterapia estão sendo encaminhados, em sua maioria, para o Hospital de Câncer de Barretos, conhecido como "Barretinho", em Porto Velho (RO), por meio de gastos com o Tratamento Fora de Domicílio (TFD).

Sem condições mínimas de trabalho, os profissionais da Unacom fazem o que podem, desde se desdobrarem e dividirem um mesmo consultório com outro colega, até fazer vaquinha para comprar medicamentos para tratamentos não sejam interrompidos. 
O médico cirurgião, David Carneiro, lamenta que haja fila de cirurgias de 5 anos de espera e que nada tem sido feito para mudar a realidade. 
“Prescrevo a necessidade de cirurgia porque é o que identifico em muitos casos, mas eu mesmo não consigo fazer, porque há uma fila de mais de 5 anos”, diz.

Certo de que boa parte das demandas são ignoradas solenemente pelo Executivo, o diretor de assistência da unidade, o médico Francisco Pena, deixou de mirar em grandes coisas como a conclusão da reforma, a instalação de ar-condicionado e a utilização de uma moderna máquina para radioterapia, que está parada. Ele diz que só a reforma básica já ajudaria o hospital. 

“Pelo menos ambulatório e corredor já nos ajudaria muito”, afirma o gestor.
Com problemas na instalação elétrica, ar-condicionado da recepção não pode ser acionado por causar a queda do sistema de computação. Na sala de quimioterapia existem apenas 12 cadeiras e várias pessoas são obrigadas a ficar em pé, aguardando a vez. “Pacientes com a saúde completamente debilitada”, contou um dos profissionais.
Francisco Pena diz que a Unacom só funciona com apenas 40% da estrutura do prédio. As salas ambulatoriais são improvisadas e o aparelho de radiografia não funciona. 

No local, o Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC) constatou ainda a falta de radioterapia, obrigando a encaminhar os pacientes para outros estados. A grande maioria dos usuários é encaminhada para Porto Velho e precisa aguardar até cinco meses para receber o atendimento, o que acaba comprometendo o tratamento e agravando o estado de saúde. 
O detalhe de toda essa via crucis dos pacientes em busca da radioterapia é que os gastos extra com o deslocamento para outros centros poderiam ser evitados se não fossem entraves burocráticos para a liberação da instalação de um moderno aparelho na Unacon.

“Aparelho nós temos, e dos mais modernos, igual ao de Porto Velho, mas falta a parte de liberação de um documento para começar a atender os pacientes. Também é preciso que um ar-condicionado seja instalado na sala [em que são realizados os tratamentos]. Ficaria mais barato para o estado colocar condicionador de ar na sala do que pagar tratamento fora de domicílio para os pacientes”, explica Melk Andrade, um dos médicos da unidade.

A direção do Sindmed-AC constatou ainda, através do relato do médico David Carneiro, cirurgião da unidade, que existem pessoas aguardando por tratamento há anos. “ Eles esperam por procedimentos cirúrgicos, como de cabeça e tronco, por exemplo. Acontece que, algumas vezes, pacientes de patologias benignas recorrem à Justiça e acabam passando na frente destas pessoas”.
Mesmo trabalhando em um ambiente completamente sem condições e tendo que lidar com a falta de estrutura física, medicamentos e leitos, os profissionais seguem fazendo o melhor que podem. 

“Aqui, é alta complexidade. Casos de câncer só tratam aqui e, mesmo assim, temos falta de quimioterápicos que temos muita dificuldade para comprar. As vezes faltam quimioterápicos básicos, que custa R$ 49 reais. Temos, hoje, 8,7 mil usuários com diagnóstico de câncer no Acre. Deste total, três mil estão em tratamento. Temos cerca de 50 pessoas em cuidados paliativos, que ficam em casa mesmo, e o médico vai até eles, mas, por nossa falta de estrutura, a nossa equipe do paliativo só chega até o Quinari. Nós fazemos tudo que conseguimos”, conta Melk Andrade.

O presidente do Sindmed-AC, Murilo Batista, afirmou que irá preparar um relatório com base na visita e encaminhará ao Ministério Público do Estado, solicitando providências urgentes. “Os médicos não têm condições de trabalho, nem sequer dispõem de meios para realizar diagnóstico. Nós iremos oficiar a Secretaria de Saúde, mas, também, iremos levar o relatório até o Ministério Público”, diz.

Freud Antunes



Nenhum comentário

Postar um comentário