Uruguai entra na última etapa de uma campanha eleitoral tranquila e incerta

Nenhum comentário
O candidato da Frente Ampla, Daniel Martínez, participa de um evento de campanha em Montevidéu, no dia 26 de setembro.FA

Por El País

Falta um mês para as eleições presidenciais e legislativas no Uruguai e, neste momento, a tranquilidade do panorama contrasta com a incerteza do resultado da votação de 27 de outubro. Nas últimas semanas algumas pesquisas detectaram um crescimento da Frente Ampla (esquerda, no Governo), que aspira ao quarto mandato consecutivo, mas o bloco de oposição de direita é claramente majoritário.

Há meses, aritmética e as pesquisas mostram a importância dessas eleições, pois o país se dirige para uma mudança de rumo, com a provável vitória da direita, na oposição há quinze anos. No primeiro turno, a Frente Ampla vence em todas as pesquisas (30%), mas o líder do Partido Nacional, Luis Lacalle Pou, a segue de perto (entre 4 e 7 pontos, segundo as pesquisas), o candidato do Partido Colorado, Ernesto Talvi, tem cerca de 15% e o militar de extrema-direita Manini Ríos tem 12%. No caso mais provável de um segundo turno em novembro, como nenhuma formação superará os 50%, o bloco de oposição venceria a esquerda com folga.

Portanto, o mais difícil de interpretar é a tranquilidade com que a campanha transcorre, apesar da reviravolta política que poderia acontecer em outubro. A primeira razão é que, no Uruguai, as forças de direita nem sempre se unem e estão sujeitas às tensões da inevitável competição entre dirigentes. A atitude da extrema-direita em relação à agenda de direitos (aborto, Lei Trans, legalização da maconha) também é um fator de divisão. O colorado Ernesto Talvi descartou um Governo com Manini Ríos, um militar admirador do brasileiro Jair Bolsonaro que recentemente votou a favor da anulação da lei que protege a população transgênero. O economista também afirmou que não revogará a descriminalização do aborto ou o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Diante de todas essas questões, Lacalle Pou, favorito dentro da direita, mostra certas diferenças, como aceitar uma aliança com o Cabildo Aberto, partido de Manini Ríos. O candidato garantiu que não modificará a agenda de direitos, mas a verdade é que dentro do Partido Nacional existe uma bancada evangélica ultraconservadora que pressiona na direção oposta.

Talvez por tudo isso os líderes da Frente Ampla não mostrem sinais de nervosismo, mas fazem uma intensa mobilização em todo o país, confiando que a eleição será realmente decidida na última etapa, como aconteceu em 2014. Seu candidato, o engenheiro Daniel Martínez, encara com perfil baixo a difícil substituição de figuras carismáticas como José Pepe Mujica ou Tabaré Vázquez. Assim, no último comício da Frente Ampla em Montevidéu, Martínez quase não falou, para dar todo o espaço à militância.

Nenhum comentário

Postar um comentário