Vanda Milani defende reestruturação dos órgãos ambientais.

Nenhum comentário


A Comissão de Integração Nacional ,Desenvolvimento Regional e da Amazônia (CINDRA) da Câmara Federal  aprovou ,esta quarta-feia,28,requerimento que solicita o envio de Indicação ao Poder Executivo, propondo abertura de crédito extraordinário em favor do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais(Ibama)e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade(ICMBio). A deputada Vanda Milani (SD) foi uma das autoras do requerimento.
Para a parlamentar, a reestruturação destes órgãos - através de recursos humanos e equipamentos adequados - vai garantir o trabalho de prevenção, acompanhamento  e combate às queimadas e demais danos ambientais, sobretudo na Amazônia. “A Amazônia não pega fogo, já que é uma região úmida. São os oportunistas de plantão que derrubam grandes quantidades de mata na região , sem a devida licença ambiental.Com isto, geram queimadas que  prejudicam diretamente o pequeno produtor, que trabalha dentro da sustentabilidade e precisa da área preservada como meio de assegurar seu trabalho para o sustento da família”, alertou a parlamentar.
Injustiça
De acordo com a deputada, estes  oportunistas muitas vezes aproveitam-se até mesmo de terras devolutas da União para as derrubadas ilegais. Assim, não são penalizados já que não são  sequer donos da terra. “Com isto, nossos governos Federal e Estadual são injustamente responsabilizados , vez que os órgãos ambientais vem enfrentando esta falta de estrutura há mais de 20 anos. Dai a necessidade urgente de reestruturar os órgãos ambientais para coibir esta prática danosa na origem ”, salientou.
 Vanda Milani lembrou que as derrubadas antecedem as queimadas , “mas se nós tivermos mão de obra especializada suficiente para prevenir que estes danos ocorram, vamos estar agindo nas raízes do problema”. Milani finalizou dizendo que  o Governo Federal é sensível ao problema “e virá em apoio liberando os recursos necessários para a reestruturação dos órgãos ambientais”.


Nenhum comentário

Postar um comentário