A Lava-Jato irá morrer? - por Cássio Rizzonuto

Nenhum comentário

Por Cássio Rizzonuto

Tudo se encaminha para a eliminação total da Operação Lava-Jato. Assim como aconteceu com a Castelo de Areia, criada em 2009 e anulada pelo STJ – Superior Tribunal de Justiça. Este órgão segundo a ex-Corregedora Nacional de Justiça, Eliana Calmon, está dominado por muitos envolvidos em, digamos, deslizes impensáveis.

Qualquer investigação que chegue ao Poder Judiciário encontra barreiras intransponíveis. Existem vídeos de Eliana Calmon a respeito, em inúmeras páginas do Youtube. São estarrecedores! Tribunais Superiores não devem ser investigados.

Mas o que deixa vazio enorme, que não se sabe como será preenchido, é o fato de o presidente Bolsonaro trabalhar abertamente para o enterro da Lava-Jato. Logo ele, que foi eleito para mostrar tudo, para fazer com que culpados respondessem na Justiça pelos crimes cometidos.

O problema é que o filho do presidente, senador Flávio Bolsonaro, foi flagrado no Coaf e pego com as digitais em transações financeiras ilegais, dinheiro desviado de seu gabinete de deputado estadual pelo Rio de Janeiro. Como uma mão lava a outra, a Revista Crusoé mostrou acordo feito entre Bolsonaro pai e Dias Toffoli, presidente do STF.

Segundo a Revista, o acordo livraria Dias Toffoli e a esposa (ele recebe, de acordo com a Crusoé, propina de R$ 100 mil mensais do escritório de advocacia da mulher), isentaria Gilmar Mendes e a mulher, Guiomar Mendes, da acusação de movimentação financeira não explicada (milhões de reais), deixando Flávio em bons lençóis.

Esse acordo, já divulgado, tem causado desequilíbrio emocional no presidente. Ele agora briga com todo mundo: com a Receita Federal, com a PF, órgãos de meio-ambiente e, até mesmo, com o ministro da Justiça, Sérgio Moro, a quem, nos bastidores, acusa de interferir em seu governo.

As respostas que o presidente tem dado a questões emergenciais não ecoam bom senso. A NASA afirmou, no último dia 22, que as queimadas na Amazônia são bem menores se comparadas com as dos últimos 15 anos. Bolsonaro ainda não prestou atenção. Porque está mais preocupado em salvar o filho, atacando Moro, PF e Receita Federal.

Uma foto distribuída pelo presidente da França, Emmanuel Macron, insinua que o fogo na Amazônia vai acabar com o oxigênio no mundo, quando se sabe que a Amazônia não é “o pulmão do mundo”, como os europeus apregoam. A foto circula na rede com a legenda de que foi feita há 16 anos.

Bolsonaro nem atentou para o fato, porque a investigação que chegou a seu filho é mais importante do que qualquer outra coisa. Sem tempo para pensar ou refletir, o presidente ataca e causa graves fissuras.

Não se sabe o que irá acontecer, até porque a população está mobilizada, consciente de que o Poder Judiciário pretende anular a Lava-Jato, soltar o presidiário Lula, anular processos e voltar tudo ao que era antes. Lamenta-se o desequilíbrio emocional de Bolsonaro, mas o Brasil não irá aceitar a volta dos desmandos combatidos.
·          

Nenhum comentário

Postar um comentário