Constrangimento e incômodo na comitiva presidencial

Nenhum comentário


Constrangimento

Não foi constrangedor só para o presidente Jair Bolsonaro o crime de tráfico cometido por um militar da Aeronáutica que fazia parte da comitiva presidencial a uma viagem internacional. Ficou feio e constrangedor para todos os brasileiros honestos e trabalhadores e que respeitamos não só as nossas leis como também a de outros países.

Incômodo  

A apreensão da cocaína deixou a delegação brasileira claramente inconformada com o tamanho da repercussão internacional. A irritação do presidente Bolsonaro, ao desembarcar em Osaka, era visível aos olhos dos jornalistas e era atribuída pelos interlocutores do Planalto aso cansaço da viagem de  25 horas.

* Nos bastidores, no entanto, tinha nome e sobrenome: Manoel Rodrigues, o militar da Aeronáutica.

Oportunismo

A oposição vai tentar convocar o general Augusto Heleno, que é o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional do governo, apenas para tentar desgastá-lo.

* Isso porque já se sabe que o pessoal da Aeronáutica é quem faz a checagem das bagagens e segurança das aeronaves. A missão não é do GSI.

Fica para outra vez  

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), era aguardado para o jantar de Moro —e não apareceu. “Ele me ligou e disse que teve um problema particular, diz o anfitrião.

* A expectativa era grande, já que Alcolumbre afirmara um dia antes que, se um parlamentar sofresse as mesmas acusações de Moro, já estaria cassado ou preso. O jantar foi até as 2h da manhã.

Posse de arma I

Até agora, a deputada Vanda Milani foi a única parlamentar acreana a se pronunciar em defesa da posse de arma. Ela lembrou na tribuna da Câmara que, apesar da população brasileira ter se manifestado a favor do direito da compra de uma arma no referendo de 2005, o Estatuto do Desarmamento, na prática, fez com que a vontade popular expressa nas urnas não fosse cumprida.

Posse de arma II

Para Milani, arma de fogo é, acima de tudo, legítimo instrumento de proteção e dissuasão em situação de risco potencial. “Entretanto, atualmente no Brasil, apenas as pessoas de bem estão desarmadas”, assegurou.

* Vanda Milani também argumentou em seu discurso que armas são objetos inanimados. E restrição contra objetos inanimados nunca irá gerar civilização. “É a moralidade a primeira linha de defesa de uma sociedade contra comportamentos bárbaros que fazem uso errado do armamento”, garantiu.

Votos suficientes?

Parlamentares favoráveis à reforma da Previdência apostam que já há um placar positivo para a aprovação do texto no plenário da Casa, mas admitem que a margem é perigosa para que a proposta seja colocada em votação antes do recesso parlamentar. 
* Membros da comissão especial avaliam que, se a reforma fosse votada hoje no plenário, teria entre 325 e 335 votos, caso o relator Samuel Moreira fizesse os ajustes solicitados pelos líderes partidários e mantivesse o diálogo aberto até o momento da votação. O número mínimo para a aprovação de uma emenda constitucional é de 308 votos.
Frase
“Nós temos exemplo para dar para a Alemanha sobre o meio ambiente. A indústria deles continua sendo de carvão, e a nossa, não” – do presidente  Jair Bolsonaro, em resposta às criticas da chanceler Ângela Merkel sobre a política ambiental do governo brasileiro.




Nenhum comentário

Postar um comentário