DEPOIS DO ENGODO DA FLORESTANIA VEM AÍ O AMBIENTALISMO VERSÃO AGRONEGÓCIO

Nenhum comentário


Por Edinei Muniz 

A repórter Lisa Song, da ProPublica, conceituada Agência de Jornalismo Investigativo, com sede em Nova York, esteve no Acre dias atrás investigando a Política de Crédito de Carbono e pelo jeito não gostou muito do que viu.

Na última quinta-feira (23), a repórter, vencedora do Prêmio Pulitzer, um dos mais respeitados do jornalismo internacional, publicou um artigo no Jornal Los Angeles Times intitulado 'A Califórnia pode permitir que os poluidores compensem o carbono preservando as florestas tropicais. Aqui estão as armadilhas'.

O trabalho de Lisa no Acre acabou ganhando grande repercussão e vem sendo objeto de diversas publicações nos principais jornais do mundo.

O interesse da imprensa internacional é justificável, já que nas próximas semanas um Comitê Legislativo do Estado da Califórnia (EUA) irá decidir se aprova ou não o 'Tropical Forest Standard', um projeto desenvolvido pelo Conselho de Recursos do Ar da Califórnia sobre como as compensações florestais intercontinentais poderiam funcionar. 

O Acre, na hipótese do projeto ser aprovado, o que é muito provável, irá figurar como o principal parceiro da Califórnia na referida empreitada, tida como modelo a ser seguido pelo resto do mundo. 

O negócio funcionaria mais ou menos assim: o Estado da Califórnia, um dos maiores poluidores das Américas, seguirá poluindo enquanto o Acre, para 'compensar', conservará a sua floresta em troca de alguns punhados de dólares. 

Como professor de Biologia que sou, tentarei explicar de modo simples essa relação.  

Imagine que você encontra-se dentro de um quarto cheio de plantas e resolve acender um cigarro. Ou seja: você estará poluindo o ar do seu quarto lançando nele uma boa quantidade de CO2, o gás carbônico. 

O CO2 ou gás carbônico para nós que somos animais é tóxico. No entanto, para as plantas funciona como matéria prima da Fotossíntese. O CO2 é tido como o responsável pelo aquecimento global. 

Voltando ao exemplo do cigarro e das plantinhas... 

O que as plantinhas farão pela qualidade do ar do seu quarto? Elas irão limpar o ar, já que consomem o CO2 na Fotossintese. Sacaram?

E qual seria a relação disso tudo com os negócios ambientais envolvendo o Acre e a Califórnia? 

Quem respondeu que a Califórnia funcionaria como cigarro e o Acre como as heróicas plantinhas acertou. 

Traduzindo: o Estado da Califórnia, um dos maiores poluidores das Américas, em outras palavras, um dos maiores emissores de CO2 das Américas, seguirá poluindo por lá, e nós,  os faxineiros dessa sujeira toda, para compensar o estrago deles ao resto do mundo, preservaremos nossas florestas por aqui - lembrem-se da aulinha: as plantas "comem" o CO2 tóxico - em troca de alguns punhados de dólares. O nome disso é CRÉDITO DE CARBONO. 

E nesse suja lá e limpa aqui, a Califórnia, que vive sendo pressionada pela ONU a cumprir o Acordo Climático, aliviará a própria barra perante a Comunidade Internacional. 

E nós? E nós? Ora, nós, 'ambientalistas versão agronegócio', seguiremos enganando pobres e indefesas populações indigenas, cujos gritos mostram-se facilmente perceptíveis e indicam forte resistência à ideia de servirem de massa de manobra dos grandes poluidores internacionais -  e também do governo local, já que existem denúncias gravissimas a indicar que os tais punhados de dólares não estão chegando nas aldeias.

 


Nenhum comentário

Postar um comentário