ABORDAGEM INDEVIDA, GERA DANO MORAL!!!

Nenhum comentário


“SORRIA, VOCÊ ESTÁ  SENDO FILMADO.” O, alerta bem-humorado, é muito encontrado em estabelecimentos comerciais, mostrando o quanto o Comércio em geral, estão se mobilizando para garantir mais segurança ao seu negócio.

Mas, é preciso cautela, pois se usados de forma exagerada, equipamentos de segurança e funcionários podem causar constrangimentos aos clientes e como efeito, problemas Judiciais para os Comerciantes.

Quando o consumidor se torna suspeito, é fundamental estabelecer o limite e o equilíbrio para efetuar a abordagem, pois o EXERCICIO ABUSIVO DO DIREITO DE VIGILÂNCIA E PROTEÇÃO DO PATRIMÔNIO, "Gera o dever de Indenização por Danos Morais".

O correto, é que a abordagem ao suspeito, seja feita como se o funcionário estivesse realizando um atendimento, essa é a melhor forma de mostrar para a pessoa que ela foi vista e percebida na Loja, "sem causar constrangimento".

Dentro da loja, "jamais se deve acusar ou revistar alguém” e, se a situação não for resolvida e o cliente sair do estabelecimento mantendo a atitude suspeita é preciso ainda mais cautela, senão vejamos:

a)- O,  sistema de monitoramento por câmeras, deve ter identificado a pessoa ocultando o produto.

b)- Deve-se então, acompanhar a pessoa e não ter nenhuma dúvida de que o produto não foi devolvido e o pagamento não foi efetuado.

Quando, se tem a plena certeza da ocorrência dessas três situações, o indicado é convidar o suspeito a se dirigir até um local reservado na loja e, caso não seja resolvido, o funcionário deve chamar a POLÍCIA, pois que saibam todos, "É a única que tem Autorização legal, para  revistar e realizar os demais procedimentos, conforme determina a Lei".

A abordagem,  de um cliente por suspeita de furto é "uma faca de dois gumes", pois pode tanto prevenir perdas, como culminar numa AÇÃO JUDICIAL POR DANOS MORAIS e, isso na maioria dás vezes ocorre, por conta da mudança da postura das lojas com relação à segurança.

As lojas investem alto em tecnologia, porém, o empresário deve estar ciente de que não basta investir pesado em novos mecanismos de proteção, se não houver um treinamento adequado para abordagem de seus clientes, "em situações de acionamento indevido de Alarme ou suspeita fundada de furto".

A, Justiça, "considera Dano Moral o tratamento Excessivo, abusivo ou Constrangedor" para o consumidor, por parte dos funcionários do estabelecimento no momento da abordagem, assim sendo, é necessário que todos os LOJISTAS em geral, saibam que toda a Abordagem relacionada à Segurança, "Tem que ser Discreta", para que não se caracterize uma "ABORDAGEM INDEVIDA", vindo com isso á gerar ao mesmo, um "Processo na Justiça" por DANOS MORAIS, por parte do Consumidor atingido pela prática.

POR, RODINEI LAFAETE


Nenhum comentário

Postar um comentário