Vanda Milani defende desenvolvimento com sustentabilidade

Nenhum comentário
Deputada Vanda Milani na Comissão de Meio Ambiente

Em audiência pública realizada esta quarta - feira (10) na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável sobre “Esclarecimentos de Novos Procedimentos e Acordos do Ministério do Meio Ambiente”, a deputada Vanda Milani (SD) perguntou  ao ministro do setor ,Ricardo Salles, o que o Acre e o povo amazônida   podem esperar do projeto estratégico do Governo Federal para as regiões onde as   terras  são agricultáveis na Amazônia.
.A deputada  indagou ainda  o projeto  estratégico do Governo Federal para os proprietários de terra que defendem sua propriedade sem qualquer desmatamento. O ministro respondeu ser necessário encontrar soluções racionais para problemas que estão acontecendo. Em relação ao Acre, Ricardo Salles disse  são problemas que dizem respeito ao desenvolvimento do Estado , que certamente enfrenta a falta de dinamismo econômico “ já que de um lado é impedido de produzir, doutro a floresta em pé tem sérias restrições com os manejos florestais que , a despeito de serem reconhecidos como importantes, sua execução se torna cada vez mais difícil em razão de regramentos”.
Para o ministro, esse problema é um caso típico de ideologia disfarçada de tecnicidade. Vanda Milani ressaltou ainda  que os povos amazônidas são os maiores ambientalistas  da nação e, no entanto, são vistos,  na sua maioria, como inimigos da pátria, “quando na verdade são verdadeiros soldados não pagos e que garantem , a custo zero, a soberania da Amazônia brasileira, sem nenhuma contrapartida para tal, como existe em outros ´países. São os fiscais amazônidas mais baratos, desconhecidos e não reconhecidos pela nação e povos do mundo ”. Em sua indagação, a parlamentar destacou que a fronteira acreana não foi aberta à agro-indústria, “e, por isto, nosso povo sofre o desemprego de seus filhos. Tem floresta ,mas não tem desenvolvimento econômico”
Sustentabilidade.
Segundo Vanda Milani, não é preciso derrubar a floresta, basta ter o respeito pelo meio ambiente e caminhar juntos. Quem vive na Amazônia, disse a deputada, sabe das dificuldades que o povo passa no dia a dia. “O pequeno, médio e grande proprietários são os  grandes prejudicados”. A deputada lembrou que licenciamentos legais levavam meses-até anos- para serem autorizados  e liberados em virtude da falta de flexibilidade. ”Hoje, felizmente, o Acre vive dias  diferentes. Está sendo dada prioridade às licenças ambientais requeridas, desde que cumprida à legislação ambiental”, finalizou.


Nenhum comentário

Postar um comentário