Os fricotes bizarros da senadora Kátia Abreu

Nenhum comentário


Por Júlio César Cardoso (*)

O país é testemunho do show circense que a senadora Kátia Abreu (PDT-TO) e demais membros da famigerada “bancada da chupeta” no Senado já deram no passado ao Brasil.

Mais uma vez assistimos à grande falta de respeito ao Senado e ao país que a senadora Kátia Abreu – exímia na arte de trocar de partido -, lamentavelmente, deu à sociedade brasileira na primeira sessão do Senado, em 2019.

Cenário degradante igual não se vê nem em escola primária. Que negócio é esse? Como se pode acreditar na seriedade de parlamentares como Kátia Abreu, que se arvorou no direito de impor o seu extinto teratológico, bizarro e arrogante  ao arrancar das mãos do presidente da Sessão, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), a pasta dos trabalhos sem devolvê-la?

O ato de insubordinação da senadora Kátia Abreu, por si só, já ensejaria motivo de exame pelo futuro conselho de ética da Casa por falta de decoro parlamentar.

É muito lamentável, diante do  país e de familiares que foram participar da posse dos novos e das novas parlamentares, o comportamento antirrepublicano de uma senadora, que demonstra desequilíbrio emocional  com os fatos adversos decorrentes  do estado democrático de direito.

A renovação majoritária do Senado denuncia que o país exige moralização do estamento, e  que  palhaçadas protagonizadas como as da senadora Kátia Abreu sejam exemplarmente punidas.

(*) Júlio César Cardoso é Bacharel em Direito e servidor federal aposentado/Balneário Camboriú-SC

Nenhum comentário

Postar um comentário