POR QUE MORTE DE CACHORRA CAUSA MAIS COMOÇÃO, DO QUE DE UMA IDOSA TAMBÉM MORTA Á PAULADAS???

Nenhum comentário


A comoção nas REDES SOCIAIS, através de milhares de compartilhamentos e engajamentos, mostrou que a morte de uma CACHORRA, vitima de golpes com uma barra de ferro de um Segurança do CARREFOUR da Cidade de Osasco em SÃO PAULO, causou mais revolta aos INTERNAUTAS, do que a da IDOSA, ANTONIA CONCEIÇÃO DA SILVA, de 106 anos de idade, também morta á pauladas no interior de sua residência.
Este, bárbaro crime, aconteceu na madrugada do dia 17 de Novembro de 2018, dentro da casa da IDOSA, no Município de FEIRA NOVA DO MARANHÃO, em SÃO LUÍS.
Os dois crimes, ou seja, da CACHORRA e da IDOSA, ocorreram em situações que tem algo em comum, pelas circunstâncias e pela ocorrência de GRANDE VIOLÊNCIA.
A morte da IDOSA foi noticiada por vários veículos de comunicação, mas nenhuma teve a mesma repercussão do que a da CACHORRA.
Os Internautas, comovidos pela morte da IDOSA, não criaram um “abaixo assinado” online, objetivando uma Homenagem Póstuma á IDOSA de 106 anos.
No caso da CACHORRA, aconteceu totalmente o contrário, ou seja, milhares de pessoas comovidas com o caso, criaram um abaixo assinado, pedindo a prisão do SEGURANÇA, sendo que em apenas 03 dias, o mesmo já tinha atingido mais de “1,7 milhões” de assinaturas, bem como também nas Redes Sociais, está sendo feita por internautas, uma Campanha maciça de BOICOTE contra o SUPERMERCADO CARREFOUR.
O que está por trás de tamanha comoção, em um PAÍS tão VIOLENTO e INJUSTO, em que barbaridades cotidianas contra seres humanos são naturais, por que as pessoas se sensibilizam dessa forma, COM A MORTE DE UMA CACHORRA???

Qualquer forma de crueldade, contra seres vivos é injustificável e deve ser condenada em todas as instâncias, mas parece existir certa desproporção com relação à defesa de alguns seres vivos em detrimento de outros, ou seja, SER HUMANO “e um” CACHORRO,   o que mostra que estamos com dificuldade de fazer uma reflexão sobre nossos valores. 

POR, RODINEI LAFAETE



Nenhum comentário

Postar um comentário