Ensino a distância: liberados para ensino médio, cursos EaD ainda são piores que presenciais

Nenhum comentário

Ensino a distância: liberados para ensino médio, cursos EaD ainda são piores que presenciais

Mais de 20% das matrículas nas faculdades brasileiras são de alunos que fazem cursos não presenciais, mas qualidade do chamado 'EaD' não é consenso.

Defendido pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), o ensino a distância (EaD) cada vez mais se expande e se consolida no ensino superior brasileiro, e a perspectiva é de que cresça ainda mais. Desde novembro, já pode ser adotado parcialmente no ensino médio, etapa obrigatória do ciclo de educação básica do ensino.

As novas diretrizes curriculares para o ensino médio, aprovadas em novembro, limitaram o uso do EaD em até 30% da carga horária para os cursos noturnos; 20% para os diurnos e até 80% para os de Educação de Jovens e Adultos (EJA). Para adotar a prática, os estados, responsáveis pela formação dos currículos, precisam da aprovação dos conselhos locais, o que pode ocorrer já em 2019.


Nenhum comentário

Postar um comentário