Falta de médicos pode causar colapso na saúde e dezenas de mortes no Acre

Nenhum comentário


O Hospital Geral de Feijó (HGF) e a Maternidade de Feijó podem entrar em colapso, resultando em mortes de pacientes. O motivo é a falta de médicos para atender as duas unidades em pleno estado de emergência decretado pela prefeitura de Feijó em virtude de uma epidemia de dengue.
A possibilidade de mais óbitos por falta de profissionais também ameaça o funcionamento do Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb) e Maternidade Bárbara Heliodora (MBH), Hospital da Criança e a Maternidade de Cruzeiro do Sul.
Em Feijó, as unidades de saúde podem ter que dividir a atenção de apenas um médico de plantão que será obrigado a correr do Pronto Socorro (PS) ou do setor de internação do HFG para a maternidade, sendo forçado a escolher quais pessoas que precisam de atendimento, podendo agravar o estado de saúde de outros cidadãos.
“A situação é gravíssima e pode resultar em interdição ética, porque um médico sozinho não pode ser responsável por um parto. No PS, o médico também precisa do apoio de um anestesista. Se ele passar mal, não há quem assuma a cirurgia ou o parto por falta de um médico assistente. É um verdadeiro caos porque os gestores da Secretaria de Saúde viraram as costas para as necessidades de planejamento, manutenção de contratos e a realização de novas contratações”, protestou o presidente do Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC), Ribamar Costa.
Em Rio Branco, as demissões ameaçam o atendimento das grávidas que precisarão esperar que um único médico de plantão possa atender a todos os casos. Se uma criança nascer de forma prematura ou necessitar de apoio de pediatras, apenas um médico deverá escolher qual bebê deverá receber atendimento. A situação poderá ficar ainda mais grave, porque existem 14 leitos na UTI neonatal e quase sempre estão lotadas.
O Huerb, local em que também existem constantes denúncias por falta de médicos, poderá contar com poucos profissionais, chegando a existir apenas dois anestesistas nos finais de semana, quando a procura por atendimento é redobrada, podendo resultar em mortes. Atualmente, existe uma superlotação da área crítica, em que pacientes estão sendo obrigados a esperar cerca de dez horas por atendimento. Essa espera deveria ocorrer em macas, mas a falta delas obrigam os servidores a colocar as pessoas em cadeiras de plástico e os acompanhantes forçados a ficar segurando o soro por falta de suporte. Das 30 vagas no setor, na quinta-feira (1º), existiam 47 pacientes, além dos acompanhantes, tornando o ambiente propício para a circulação de bactérias e vírus.
“A situação é desesperadora, porque seriam necessários quatro anestesistas no Huerb, além de obstetras e pediatras na MBH, mas a Sesacre vem tratando o caso com ironia ao chamar de ‘Fake News’ os problemas denunciados pelo Sindmed e pela população. Esses gestores deveriam ser processados”, protestou o sindicalista.
No Huerb, os carrinhos de anestesias são da década de 1980, não possuem regulação para o exato peso e idade dos pacientes, prejudicando a operação em crianças e adultos obesos. Ainda há o relato da falta de anestésicos e agulhas para a realização das cirurgias.
Cruzeiro do Sul afetado
A falta de médicos na Maternidade de Cruzeiro do Sul obriga a MBH a fornecer profissionais, mas a falta de especialistas em Rio Branco poderá causar um buraco na escala ainda maior na unidade que fica na segunda maior cidade do Acre.
“Todos os casos estão sendo registrados. Estamos realizando visitas, registrando todos os problemas e encaminhando os casos para o Ministério Público Estadual e para o Conselho Regional de Medicina”, finalizou Ribamar Costa.

 Freud Antunes


Nenhum comentário

Postar um comentário