Volkswagen T-Cross está quase pronto para o Brasil: veja detalhes

Nenhum comentário

O Volkswagen T-Cross está em fase final de testes e avaliações no Brasil, e será apresentado tanto no Salão de Paris quanto no Brasil ainda este mês, embora a produção em série do novo utilitário deva atrasar para o início do segundo trimestre de 2019. A marca aproveita o suspense para revelar mais detalhes do SUV, ainda camuflado. O T-Cross será produzido em São José dos Pinhais (PR) –  fábrica que receberá cerca de R$ 2 bilhões em investimentos. Ele será um dos 5 SUVs que serão oferecidos no País até 2020.



Fabricado sobre a plataforma modular MQB, o T-Cross brasileiro possui 4,20 metros de comprimento e 1,57 m de altura (1 cm mais alto que o europeu). A distância entre-eixos do modelo será a mesma do Virtus: 2,65 m (ou 8,8 cm a mais do que sua contraparte europeia, que manteve os 2,56 m do Polo). 



Estarão disponíveis dois motores TSI flex, ambos com turbo e injeção direta de combustível: o 1.0 (200 TSI) rende 128 cavalos com etanol. Já o motor 1.4 (250 TSI) gera 150 cv com gasolina ou etanol.


A capacidade do porta-malas é variável entre 373 e 420 litros e, como na dupla Polo e Virtus, haverá como opcional o encosto do banco do passageiro dianteiro dobrável para a frente, o que permitirá carregar objetos longos. Com a posição elevada dos assentos no T-Cross, o modelo também promete ângulo de visão elevado e maior altura livre do solo.


A parte dianteira será robusta, com grade ampla, faróis de LED integrados e capô com vincos. Nas versões do T-Cross com faróis halógenos, a luz de condução diurna é integrada aos faróis de neblina; já nas versões completas, com faróis full-LED, a luz de condução diurna encontra-se no topo das lentes principais. A traseira terá um novo elemento de design da Volkswagen: uma faixa de refletores que liga as lanternas e é emoldurada por um friso preto.

O interior terá molduras, enquanto a carroceria poderá assumir oito cores (opcionalmente, seguindo o modismo do mercado, também haverá opções bicolores). Como as versões Comfortline e Highline de Polo e Virtus, no T-Cross estará disponível o sistema de som Beats, com sete alto-falantes, amplificador e subwoofer traseiro.

Entre os destaques do interior do T-Cross estão: sistema multimídia com tela sensível ao toque de 8 polegadas, quadro de instrumentos digital configurável Active Info Display, quatro entradas USB (duas na frente, duas atrás) e chave presencial com partida por botão.


Além da carroceria com emprego de aços de ultra-alta resistência e conformados a quente, o SUV terá seis airbags (frontais, laterais dianteiros e do tipo cortina), sensores dianteiro e traseiro de estacionamento, Park Assist 3.0 (auxiliar de estacionamento autônomo em vagas paralelas e transversais, com função de freio de manobra em caso de risco iminente de colisão), frenagem automática pós-colisão (aciona automaticamente os freios do veículo em caso de acidente, o que evita colisões secundárias) e o detector de fadiga (detecta a perda de concentração do motorista e o sistema recomenda uma pausa para descanso).

Como o Jetta, o T-Cross terá nas versões mais caras o seletor do perfil de condução, para o motorista ajustar parâmetros de direção entre os modos normal, ecológico, esportivo ou individual.

Todas as versões terão de série o importante controle eletrônico de estabilidade, que reconhece um estágio inicial de que uma situação de rodagem crítica está para acontecer, e se necessário, reduz o torque do motor e freia uma ou várias rodas para o carro seguir numa trajetória mais segura.




Nenhum comentário

Postar um comentário