Descenso deixa em evidência crise vivida pelo Salgueiro

Nenhum comentário
Matematicamente rebaixado no Campeonato Brasileiro da Série C, com uma rodada de antecedência, o Salgueiro não conseguiu repetir as boas campanhas que vinha realizando ao longo dos últimos sete anos na competição nacional. A derrota para o Remo, na última segunda-feira (6), fez o clube retornar para a Série D e deixou em evidências a dificuldade vivida pelo clube sertanejo.

Em entrevista à Folha de Pernambuco, o técnico Sérgio China, que está em sua terceira passagem pelo clube do sertão do Estado, falou sobre o descenso e a fase que o Carcará atravessa, tanto dentro, como fora de campo.

“Chegamos ao jogo de ontem (segunda) com a possibilidade de nos mantermos vivos na briga pela permanência. Mas, não conseguimos. É um resultado de todo um acúmulo do que vivemos para chegar até aqui. Nosso ano começou em novembro do ano passado. Tivemos que remontar todo elenco, depois da saída de mais de 19 atletas. No Estadual, depois de um início ruim, chegamos entre os quatro. De quebra, nos garantimos na Copa do Nordeste. Dos três objetivos do ano, conquistamos dois. Para a Série C, precisávamos de mais recursos, a direção buscou, porém não deu. Nosso único atacante de referência foi negociado", afirmou o comandante do tricolor sertanejo.

Faltando uma rodada para o término da fase de grupos, o Salgueiro soma 17 pontos. Com o ataque em baixa, anotando 11 gols, em 17 jogos, a equipe comandada por Sérgio China acumulou três vitórias, oito empates (sendo cinco no Cornélio de Barros) e seis derrotas. Para se ter uma noção, na Série C 2017 o time sertanejo terminou o torneio na quinta posição do Grupo A. Porém, com menos igualdades no placar durante a campanha, flertou com uma classificação para as quartas de final. Dos 24 pontos conquistados, 21 foram através de vitórias e apenas três com empates. Sem falar no sistema ofensivo que, à época, balançou as redes adversárias em 19 oportunidades.

“Empatamos, em casa, tomando gols no final da partida. Foi assim contra Confiança e Globo. Infelizmente, são situações do futebol. Mas, para mim, o que faltou foi poder ter recursos para contratar atletas. Na Série C, os times são equilibrados, se você está abaixo, não consegue escapar dos maus resultados. Contra o Santa, vamos para o jogo com 15 ou 16 atletas disponíveis. É uma somatória de situações que faz o clube não permanecer na competição”, disse o treinador.

Passado o compromisso contra o Santa Cruz, no próximo sábado (11), o Salgueiro só volta a disputar uma partida oficial em 2019. Mesmo que seguisse vivo na Série C, atuaria, no máximo, até o próximo mês. Assim como a maioria das equipes do futebol nacional. China criticou o calendário do futebol realizado no Brasil. “O maior erro do futebol brasileiro é o calendário. É um absurdo que mais de 80% das equipes não joguem depois de setembro. Como faremos para convencer o jogador a ficar no clube? A nossa sorte foi ter conseguido a classificação para a Copa do Nordeste, caso contrário a situação seria ainda mais crítica.”

Boa década

Ao longo dos últimos oito anos, o Salgueiro colecionou resultados expressivos para uma equipe considerada pequena no futebol nacional. Em 2010, conseguiu acesso à Série B do Brasileirão pela primeira vez em sua história, depois de vencer o Paysandu por 3x2, em plena Curuzu. No ano passado, e em 2015, bateu na trave e foi vice-campeão Pernambucano, diante de Sport e Santa Cruz, respectivamente.



FOLHAPE


Nenhum comentário

Postar um comentário